• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Sobe número de assassinatos no Estado e Serra lidera estatísticas

  • COMPARTILHE
Polícia

Sobe número de assassinatos no Estado e Serra lidera estatísticas

Foram mais de 1400 homicídios registrados apenas no ano de 2017

De acordo com o levantamento realizado pelo Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sindipol), o número de homicídios no Espírito Santo vem aumentando. Somente em 2017, foram registrados pela categoria 1.403 assassinatos, 222 vítimas a mais do que que no ano anterior.

A Serra lidera as estatísticas, com 305 mortes. No segundo lugar está Cariacica, com 177 homicídios. Logo atrás, Vila Velha. No município foram contabilizadas 164 vítimas de assassinato em 2017. O pico de casos aconteceu em fevereiro, durante a paralisação da Polícia Militar. “Em 2016, de 120, em 2017 foi para 230, obviamente por conta da greve da PM. Porém, nós sabemos que os meses que seguiram continuou aumentando”, explicou Humberto Mileip, vice-presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado.

Um estudo feito pelo Conselho Nacional do Ministério Público revelou que das 134 delegacias capixabas, apenas sete contam com o número de policiais suficientes para atender à população. A categoria lamentou a falta de efetivo que dificulta as investigações.

“Em 1996, há 22 anos, nós tínhamos um efetivo de 3.850 policiais. A população não era 3 milhões de habitantes. Hoje nós temos o efetivo de 2.200 policiais. Ou seja, reduziu drasticamente e a população já ultrapassou 4 milhões de habitantes. Se a Polícia Civil não está equipada, não tem o material adequado para investigar, não vai tirar esse pessoal da sociedade e os crimes vão aumentando. Eles vão se sentindo mais confiantes e vão praticando mais homicídios”, destacou Mileip.

Crime

Fotos de momentos importantes com a família, os CDs preferidos e alguns objetos pessoais. Oito meses após o crime, a universitária Ana Caroline dos Santos, de 22 anos, abriu pela primeira vez a caixa com as coisas do irmão assassinado. Diante de tantas lembranças, foi difícil segurar a emoção.

“Eu ainda não me sinto preparada para olhar as coisas dele. Eu fico muito mexida, porque pode passar o tempo que for, mas a gente ainda está sofrendo e vai continuar sofrendo muito”, contou a universitária.

Samir dos Santos Guimarães foi assassinado em maio do ano passado, no bairro Planeta, em Cariacica. Segundo a família, o estudante de 19 anos, voltava a pé de uma festa, pela Rodovia José Sette, quando um carro parou e os ocupantes começaram a atirar.

Luana acredita que o irmão foi vítima de uma emboscada, mas assim como outras centenas de famílias capixabas, segue sem resposta da polícia. A universitária contou que a mãe não consegue dormir tranquila com os responsáveis pela morte do rapaz ainda nas ruas.