• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Advogado explica fiança aplicada a judoca flagrado com arma: 'foi verificada a situação econômica dele'

Polícia

Advogado explica fiança aplicada a judoca flagrado com arma: 'foi verificada a situação econômica dele'

A arma foi detectada ao passar pelo aparelho de raio X, no Aeroporto de Vitória

O judoca capixaba Nacif Elias, autuado por porte ilegal de arma após ser flagrado com uma arma dentro da bagagem no Aeroporto de Vitória na última terça-feira (20), foi liberado após pagar uma fiança de R$ 500, aplicada pelo delegado de plantão.

O valor pago gerou polêmicas nas redes sociais e, na manhã desta quarta (21), o advogado criminalista Márcio José Luiz, esteve no Espírito Santo no Ar para explicar o motivo do valor da fiança aplicada. Segundo ele, o valor foi reduzido em até dois terços.

"A decisão foi coerente porque a autoridade policial se baseou no artigo 325, no qual ele pode dar uma fiança de 1 salário até 100 salários mínimos. No entanto, ele verificou a situação econômica do detido naquele momento e reduziu até dois terços do valor da fiança, que chegou a R$ 500", explicou.

Ainda de acordo com o advogado, o primeiro passo para quem deseja ter porte de arma é se dirigir à Polícia Federal. Ele explicou ainda que existe uma diferença entre posse e porte de arma.

"O interessado tem que se dirigir à Polícia Federal e lá ele vai ter todo um trâmite, no qual vai ter que ter uma licença, vai ter que fazer um curso de tiro para saber como manusear essa arma, então tem todo um procedimento. A posse é para ter uma arma em residência, em casa ou no trabalho, mas o porte de arma é quando a pessoa anda com ela", acrescentou. 

Caso
O judoca capixaba Nacif Elias encontrou problemas ao tentar embarcar no Aeroporto de Vitória, na manhã desta terça-feira (20). Ao passar pelo aparelho de raio X, foi detectada a presença de uma arma calibre 22, sem munição, na bagagem do atleta.

Diante do caso, o esportista foi encaminhado para o DPJ de Vitória, onde prestou depoimento e alegou que já possuía a arma há algum tempo e que havia esquecido de tirá-la de dentro da mala ao arrumar a bagagem. O delegado de plantão autuou o judoca por porte ilegal de arma e aplicou fiança de R$ 500. O valor estipulado foi pago e o esportista foi liberado.

Por nota, a assessoria do judoca informou que ao chegar no Aeroporto de Vitória, na verificação de sua bagagem, percebeu que estava com sua arma de defesa pessoal. Ele foi encaminhado pela polícia Civil, foi ouvido e liberado para embarcar para a Alemanha. Segundo a assessoria do atleta, a arma sem munição para defesa pessoal por conta de sua academia localizada na Rua Henrique Laranja, 325, no Centro de Vila Velha, local onde a quantidade de assalto está sendo cada vez mais intensa.

Ainda de acordo com a nota, em 2017, criminosos entraram na academia pelo telhado, quebrando a estrutura. Após esse assalto, com medo de sofrer outro assalto, ele adquiriu a arma com intuito de inibir possíveis invasores. A mochila que ficava guardada a arma sem munição, ele pegou a mesma para viajar, esquecendo de removê-la da mochila.

De acordo com a nota, Nacif esclareceu que é contra qualquer uso de arma, mas com a atual crise da segurança pública e a grande quantidade de assalto no Centro de Vila Velha, não viu outra alternativa, com medo de acontecer algo pior com sua empresa e sua família.