Preso em Viana foragido de Minas Gerais acusado de homicídio e estelionato

Polícia

Preso em Viana foragido de Minas Gerais acusado de homicídio e estelionato

Segundo a polícia, Ademir Lúcio Ferreira tem seis mandados de prisão e é acusado de matar o companheiro da sogra. Além disso, ele já havia ficado preso por 22 anos no Rio Grande do Sul

Ademir é acusado de ter matado o companheiro da sogra, em abril deste ano, e atear fogo na casa dele meses antes Foto: Divulgação

Um homem com pelo menos seis mandados de prisão em aberto foi detido, nesta terça-feira (02), em Viana. Segundo a polícia, Ademir Lúcio Ferreira de Araújo, de 52 anos, é foragido da polícia em Minas Gerais e é acusado de ter assassinado o companheiro da sogra, em abril deste ano, e atear fogo na casa da vítima. Além disso, ele já havia ficado preso por 22 anos no Rio Grande do Sul por vários crimes, incluindo estelionato.

Ademir é acusado pela polícia de assassinar Jorge Elias Freire, no último dia 27 de abril. O crime aconteceu dentro do puxadinho que Jorge construiu em um quintal, após ter tido a casa incendiada. Ele ainda tentou fugir pulando muro, mas foi encontrado morto no quintal da casa vizinha. A suspeita da polícia é de que o incêndio à casa da vítima, ocorrido meses antes, tenha sido provocado também por Ademir. 

Ainda segundo a polícia, Jorge mantinha um relacionamento amoroso com uma aposentada de 75 anos, há cerca de quatro meses. No entanto, a família da idosa não concordava com o namoro porque, além de muito mais jovem, Jorge era alcoólatra e usuário de drogas. Por diversas vezes, a aposentada teria dado a ele dinheiro para sustentar o vício. Um dos familiares incomodados com a relação era Ademir, genro da idosa.

A polícia chegou até o acusado depois que testemunhas reconheceram a moto dele. "Há depoimentos de testemunhas que viram ele na cena do crime, inclusive com sua motocicleta, e que disseram que ele cometeu o crime porque não aprovava um relacionamento da vítima com um parente dele", disse o delegado Arthur Bogoni.

Ademir, no entanto, nega ter cometido o homicídio. "No dia dos fatos eu estava no shopping fazendo compras com minha companheira. Eu estava lá à noite. Pode pedir as câmeras do shopping", disse o suspeito.

Ao levantar a ficha do suspeito, que se apresenta como empresário, Arthur Bogoni teve uma surpresa: existem pelo menos seis mandados de prisão em aberto contra Ademir. Os crimes vão desde estelionato a homicídio. O acusado tem dívidas com a Justiça capixaba e também mineira. Tudo isso depois de já ter cumprido 22 anos de prisão no Rio Grande do Sul por estelionato.

"Se fizermos a conta, dá 26 anos e o processo prescreve em 20 anos. Os mandados estão prescritos, só que não deram baixa. Estou sendo prejudicado por causa disso", tentou se defender o acusado.

Na casa de Ademir, a polícia ainda encontrou máquinas de cartão de crédito e vários celulares, além de um computador. Todo o material será periciado.

"Nós apreendemos a motocicleta apontada por testemunhas como sendo a utilizada na cena do crime e, além disso, encontramos diversas máquinas de cartão de crédito e alguns cartões de crédito e computadores que podem ter sido utilizados na prática de outros crimes, talvez outras fraudes e estelionatos pela internet. Todo esse material vai ser apreendido e levado para a perícia para verificar essa suspeita", disse o delegado.