• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Professor de cidade da região Norte do ES é denunciado por assédio a menina de 13 anos

Polícia

Professor de cidade da região Norte do ES é denunciado por assédio a menina de 13 anos

A denúncia foi feita pela Promotoria de Justiça de Mucurici ao Ministério Público do Espírito Santo

Foto: Divulgação

Um professor de Ponto Belo, município da região Norte do Espírito Santo, foi denunciado pela Promotoria de Justiça de Mucurici por assédio sexual a uma estudante que tinha 13 anos quando o fato aconteceu. 

O crime teve requerimento da pena por parte do Ministério Público do Espírito Santo (MPES), em razão das circunstâncias do fato, por se tratar de crime contra uma jovem de 14 anos (vulnerável).

Quando as investigações começaram, o professor foi afastado administrativamente da escola e atualmente não dá aula em nenhum estabelecimento de ensino estadual ou municipal, respondendo ao processo em liberdade.

Justificando que prestaria ajuda com material de estudo, o homem, que não dava aula diretamente para a adolescente, estabeleceu o primeiro contato com a vítima usando um aplicativo de mensagens. Posteriormente, solicitou o número de telefone da adolescente, prosseguiu o contato e começou a assediar e constranger a vítima, de acordo com informações passadas pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

As mensagens foram enviadas em horários de menor vigilância dos pais da aluna, entre 23h e 2 horas. De acordo com a denúncia, o professor introduziu na conversa, de forma ininterrupta, diálogos com teor notoriamente libidinoso. Ele solicitava que a aluna enviasse fotos íntimas e fazia exposição da vida sexual. Mesmo após repreendido pela adolescente, o professor insistiu em manter diálogos constrangedores.

O MPES pediu a condenação do professor por assédio sexual, com culpabilidade e circunstâncias agravadas, em especial, por se tratar de crime contra menor de 14 anos, praticado durante a madrugada (menor vigilância dos pais) e por meio de aliciamento em redes sociais privadas. Foi requerido também o pagamento de indenização à vítima por danos morais presumidos no valor mínimo de R$ 10 mil. 

Com informações do Ministério Público do Espírito Santo!