• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Dono de restaurante na Praia do Canto é detido suspeito de fazer "gato" em rede elétrica

  • COMPARTILHE
Polícia

Dono de restaurante na Praia do Canto é detido suspeito de fazer "gato" em rede elétrica

De acordo com comerciantes vizinhos ao restaurante do empresário, durante todo o dia o comércio não foi aberto. Os funcionários que foram trabalhar, mas encontraram o lugar fechado

Foto: Divulgação

O dono de um restaurante na Praia do Canto, em Vitória, foi detido após uma denúncia anônima. De acordo com o denunciante, o comerciante de 26 anos, dono de uma casa de massas, estaria desviando energia.

Segundo o titular da Delegacia Patrimonial, Josemar Sperandio, o crime foi confirmado após uma visita ao local. “Foi constatado que ele solicitou e conseguiu através de terceiros fazer um desvio da energia após a retirada de um relógio pela distribuidora. O empresário foi autuado em flagrante por furto de energia elétrica”, afirmou. 

De acordo com o advogado do acusado, o empresário teria comprado o restaurante há 2 meses. Segundo ele, o rapaz pagou todas as contas de energia e estava tentando regularizar a situação junto a Escelsa, empresa responsável pela distribuição de energia no Estado. 

Para a polícia, a versão apresentada pelo defensor não convenceu, já que o antigo dono do restaurante, segundo a polícia, é na verdade, a esposa do empresário detido. De acordo com comerciantes vizinhos ao restaurante do empresário, durante todo o dia o comércio não foi aberto. Os funcionários que foram trabalhar, mas encontraram o lugar fechado. O dono do restaurante prestou depoimento na Delegacia Patrimonial e foi liberado após o pagamento de fiança no valor de R$ 3 mil. 

A EDP Escelsa informou por meio de nota que realiza inspeções de rotina em mediadores de energia elétrica visando o combate de furto de energia. A assessoria não soube informar qual seria o tempo que o comerciante estaria furtando a energia, mas afirmou que há 30 dias ele estava com o fornecimento suspenso. O acusado terá que pagar o montante da energia subtraída. O cálculo para saber o valor total ainda não foi feito pela fornecedora.