• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após morte de policial militar, Guarujá tem quatro homicídios

Polícia

Após morte de policial militar, Guarujá tem quatro homicídios

São Paulo - O policial militar Maurício de Andrade Júnior, de 40 anos, foi morto na noite de quarta-feira, 19, no bairro da Enseada, no Guarujá, litoral paulista. Após o crime, mais quatro pessoas foram assassinadas durante a madrugada desta quinta no município. A Polícia Civil ainda não tinha prendido ninguém até a noite. O PM foi abordado e morto por um homem armado na frente de uma escola.

De acordo com testemunhas, Andrade Júnior caiu logo depois de receber o primeiro tiro nas costas. Depois, foi alvejado com vários disparos. O policial foi socorrido e levado para o Pronto-Socorro do Hospital Santo Amaro. Além das quatro pessoas mortas durante a madrugada, outras duas ficaram feridas, em ocorrências registradas em vários pontos da cidade. A polícia não soube informar se as quatro mortes estão associadas à do PM.

Das quatro pessoas mortas, duas tinham passagens pela polícia por tráfico de drogas - Thiago Olímpio da Silva e Jeferson Santos Souza, ambos de 28 anos. Os outros dois mortos são moradores de rua, que ainda não tinham sido identificados. Houve mais duas tentativas de ataque contra moradores de rua, segundo a polícia.

Fogos

Colegas do policial militar morto compareceram ao enterro nesta quinta-feira, 20, no Cemitério da Vila Júlia, perto do local onde aconteceu o crime. Durante a cerimônia, fogos de artifício foram ouvidos em um morro próximo. Andrade Júnior integrava a 5ª Companhia do 21º Batalhão da PM no Guarujá. O PM estava de folga, mas fazia bico de segurança no bairro da Enseada quando foi assassinado.

A polícia tenta encontrar as imagens de possíveis câmeras de segurança instaladas na região. Os investigadores apuraram com testemunhas que o criminoso fugiu a pé, mas, a algumas quadras do local, na Avenida da Saudade, entrou em um carro, cuja placa não foi anotada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.