• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Tenente-coronel é preso suspeito de incitar paralisação da PM no Espírito Santo

  • COMPARTILHE
Polícia

Tenente-coronel é preso suspeito de incitar paralisação da PM no Espírito Santo

Carlos Alberto Foresti se apresentou à PM de Itaperuna (RJ), no sábado, após tomar conhecimento do mandado de prisão que havia contra ele. Neste domingo, ele foi transferido para Vitória

Tenente-coronel foi transferido para o Presídio da PM do Espírito Santo na manhã deste domingo Foto: Reprodução Facebook

O tenente-coronel Carlos Alberto Foresti foi preso e encaminhado, na manhã deste domingo (26), para o Presídio da Polícia Militar do Espírito Santo, em Vitória. Contra Foresti havia um mandado de prisão em aberto, já que ele é apontado pela Justiça como um dos responsáveis por incitar a paralisação da PM no Estado, que foi encerrada neste sábado (25).

De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), na manhã de sábado o tenente-coronel entrou em contato com policiais militares da Corregedoria e tomou conhecimento do mandado de prisão que havia sido expedido em seu nome.

Ainda segundo a Sesp, às 17h40 do mesmo dia o oficial se apresentou na unidade da Polícia Militar de Itaperuna, no estado do Rio de Janeiro, e foi encaminhado para Vitória, onde chegou na manhã deste domingo.

A Secretaria Estadual de Segurança informou ainda que a Polícia Militar vai adotar medidas para cumprir as ordens de prisões dos outros três policiais militares com mandando de prisão ainda em aberto. Esses policiais são o capitão da reserva Lucinio Castelo de Assumção, o sargento Aurélio Robson Fonseca da Silva e o soldado Maxsom Luiz da Conceição.

Facebook

Antes de se apresentar à PM de Itaperuna, Foresti publicou um texto no Facebook, onde procurou esclarecer as circunstâncias de sua prisão. O militar informou que ainda estava tentando recuperar sua saúde e que havia passado a última noite na Unidade de Saúde de Raposo, também no Rio de Janeiro, "com problemas sérios de pressão baixa, desidratação, vômitos e diarreia". 

Além disso, o tenente-coronel afirmou estar afastado por 30 dias pelos médicos do Hospital da Polícia Militar (HPM), com Junta Médica marcada para o próximo mês, e estar sem armamento da PM desde o dia 8 de fevereiro.

"Tenho endereço fixo onde foram esta manhã, mas eu estava tentando repousar em uma estância para recuperar minha saúde já debilitada e pelo visto não consegui", publicou o militar.

Foresti afirmou ainda não ter motivos para se esconder. "Sou uma pessoa do bem e todos que me conhecem, inclusive na PMES, na minha cidade natal e nos lugares onde já residi e trabalhei podem confirmar. Já comuniquei à Corregedoria o local onde estava hospedado desde que tomei conhecimento do mandado de prisão", escreveu.