Tombamento do barulho em Santa Teresa

Histórico

Santa Teresa, a Terra dos Colibris, é forte na agricultura, na indústria madeireira e no turismo – este, alavancado pelo casario antigo e pela cultura. É considerado o primeiro município brasileiro fundado por imigrantes italianos. Em 2013, teve início um processo dentro da Secretaria Estadual de Cultura (Secult) para criação do sítio histórico do centro da cidade, o qual está dando o que falar.

Polêmica

Enquanto a Associação dos Moradores e Amigos do Centro de Santa Teresa (Amacest) é a favor, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) diz que vai entrar na Justiça contra o tombamento do patrimônio arquitetônico. 

Sítio

O sítio histórico abarca a região central. Num primeiro momento, cerca de 20 casas estão em fase de identificação – dentro de 60 dias o número exato de casas tombadas será definido. Outros imóveis podem seguir o mesmo caminho.

CDL

A Câmara de Dirigentes Lojistas defende que o casario não se enquadra tecnicamente nos critérios de tombamento – apenas duas residências teriam preservado as características originais. 

CDL II

Diz também que os investimentos na manutenção da aparência arquitetônica é dos moradores e comerciantes, e não do Governo do Estado. E que os proprietários serão penalizados com um custo alto de manutenção e as limitações para interferir nos imóveis.

Amacest

Já o presidente da associação de moradores, Sandro Pazolini, afirma que há um grupo na cidade que não tem interesse em conhecer de fato o processo desenvolvido pela Secult, mas que não representa o que pensa a maioria da população. Para ele, a criação do sítio histórico é bem vinda, pois vai impulsionar o turismo e valorizar ainda mais a cidade.

Prefeitura

Por nota, o prefeito de Santa Teresa, Gilson Amaro (DEM), disse que é a favor da preservação do casario e que o Plano Diretor Urbano (PDM) do município já contempla a preservação das casas antigas.

Secult

A Secult diz que todo o processo é feito ouvindo a comunidade e que, apesar de haver muita desinformação circulando, o sítio histórico é reconhecido como benéfico para a comunidade teresense.

Patinetes

O presidente da Assembleia Legislativa (Ales), Erick Musso (REPUBLICANOS), promulgou nesta quinta (26) a regulamentação do uso de patinetes elétricos na Grande Vitória. O projeto é de autoria do deputado Marcelo Santos (PDT). A Lei Complementar 921/19 passa a valer nesta sexta (27).

Patinetes II

A lei permite a circulação de veículos ciclo elétricos e ciclomotores em áreas destinadas a pedestres, ciclovias, ciclofaixas e outras – com limite de velocidade de 6 km/h nos espaços para pedestres e 20 km/h nos demais locais. E obriga que os equipamentos tenham indicador de velocidade, campainha e sinalização. O texto, contudo, não obriga o uso de capacetes nem prevê sanções em caso de descumprimento das normas exigidas.

Formação tucana

O diretório municipal do PSDB em Cachoeiro de Itapemirim realizou nesta quinta (26) um curso de formação política para membros e filiados. A palestra ficou a cargo do filósofo e jornalista Pedro Paulo Biccas Júnior.

Lata velha

O presidente da Câmara de Vila Velha, Ivan Carlini (DEM), cobrou da prefeitura que os veículos apreendidos pelo Município não permaneçam estacionados em via pública, o que vem acontecendo devido à falta de um pátio para remoção. Carlini diz que recebeu inúmeras reclamações, e que tem até caminhão nessa situação.

Foto da coluna: Prefeitura Municipal de Santa Teresa.

2 Replies to “Tombamento do barulho em Santa Teresa

  1. Pena que nosso querido representante da associação de moradores (AMACEST) não estava presente no proteste realizado no dia 25/09 pra conseguir entender quem é minoria e quem é maioria!
    A maioria dos moradores de Santa Teresa é CONTRA o tombamento! Só que essa informação não é divulgada!

  2. Alex, acho que vc deveria fazer uma visita a Santa Teresa e conhecer mais a fundo a opinião da maioria dos moradores da cidade. A grande maioria da população é contra o tombamento.
    O discurso a respeito do tombamento é bonito, mas a realidade é outra, procure os moradores de Santa Leopoldina, ele vão contar o que aconteceu na prática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *