• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Lula: minha relação com Campos extrapolava a política

  • COMPARTILHE
Política

Lula: minha relação com Campos extrapolava a política

São Paulo - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quinta-feira, 14, que ontem "não tinha condições de falar" com a imprensa sobre a morte do ex-governador e candidato à Presidência pelo PSB, Eduardo Campos. "Todos vocês sabem que a minha relação com o Eduardo Campos extrapolava a política, nós éramos mais do que dois políticos amigos, nós éramos dois companheiros", disse Lula, que convocou uma coletiva para registrar seus sentimentos em relação à tragédia que vitimou Campos. "Eu acho que nenhum ser humano está preparado para receber a notícia que ontem eu recebi da presidente Dilma (Rousseff)", disse.

Lula destacou que teve o prazer de conhecer Campos ainda muito jovem por conta de sua relação com o seu avô Miguel Arraes. "Tive o prazer de conhecer (Campos) ainda muito menino, o prazer de ter afinidade ideológica com o seu avó e tive a oportunidade de conviver com a sua mãe, a sua mulher e seus filhos", disse.

O ex-presidente afirmou que antes de fazer qualquer declaração queria conversar com a família do ex-governador. "Ontem eu falei com a mãe do Eduardo Campos (Ana Arraes). Hoje eu falei com a Renata (esposa) para dar um beijo nas crianças, eu sei o que ela está passando, sei o que as crianças estão sentindo", disse.

Lula destacou que o Brasil perdeu uma importante figura política. "O Brasil não merecia isso. O Eduardo Campos era uma figura extremamente promissora. O Brasil perdeu um político excepcional", afirmou. "Nós só temos que guardar dele lembranças de um homem merecedor de tudo que ele conquistou e um homem que poderia conquistar muito mais."

Segundo Lula, muitas vezes "é fácil a gente falar das pessoas quando morrem porque parece que todo mundo fica bom". "Mas o Eduardo era excepcional", reforçou, visivelmente emocionado.

O ex-presidente disse ainda que sempre que conversava com Campos fazia questão de ressaltar que nenhuma divergência no campo político seria capaz de "arranhar a relação de amizades que nós construímos". "(Eu dizia) Por mais que a gente possa em qualquer momento ter divergência, nossa relação está consolidada", lembrou. "Eu digo sempre: nem todo irmão é um grande companheiro, mais todo companheiro é um grande irmão", afirmou Lula.

Ciumeira

Lula destacou também que a forte ligação que mantinha com Campos chegou a gerar inclusive ciúmes em alguns petistas. "Eu lembro até de uma certa ciumeira que existia dentro do PT pela minha relação com Eduardo quando ele era governador de Pernambuco", disse. "Alguns amigos diziam que eu fazia mais coisa para Pernambuco do que para outros Estados, o que não era verdade. Era que o Eduardo tinha competência, apresentava projetos", disse.

Lula afirmou ainda que Campos era uma pessoa "alegre" e lembrou sua habilidade como contador de histórias. "Ele era um contador de causos extraordinário, era gratificante passar algumas horas na casa dele jantando com ele, com a família, com o Suassuna que era outro contador de causo extraordinário", disse, referindo-se a Ariano Suassuna, tio da esposa de Campos, que faleceu no mês passado. "Perdemos o Suassuna, agora perdemos o Eduardo, já tínhamos perdido o companheiro Marcelo Déda, que morreu também muito jovem", lamentou.

Cenário

O ex-presidente evitou comentar como ficará o cenário político após a morte de Campos. "Eu sinceramente não quero falar disso agora, temos que esperar um pouco", disse. "Obviamente, mudou a conjuntura política. Eu não sei qual é o tamanho do impacto, mas nós vamos esperar", disse.

Ele afirmou que ainda não ligou para a ex-ministra Marina Silva, que era companheira de chapa de Eduardo, no entanto, informou que tentou falar com lideranças do PSB. "Estou tentando falar agora com o Roberto Amaral, que é o vice-presidente do PSB, ele estava almoçando. Depois eu vou tentar ligar para a Marina", afirmou. "Eu vi ela ontem na entrevista e ela estava realmente muito abatida".

Lula disse ter apreço por Marina, há 30 e poucos anos, como fundadora do PT, como ministra, como candidata. "Eu nunca misturei a minha relação de amizade com as coisas políticas", reforçou.

O ex-presidente disse que está esperando o resultado do IML para ir a Pernambuco participar do enterro de Campos e "prestar as últimas homenagens àquele companheiro que jamais poderia ter morrido, muito menos da forma que ele morreu", afirmou.