• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após reunião com Temer, líderes aliados na Câmara prometem evitar 'pautas-bomba'

  • COMPARTILHE
Política

Após reunião com Temer, líderes aliados na Câmara prometem evitar 'pautas-bomba'

Brasília - Depois de mais uma reunião com o vice-presidente Michel Temer, o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e Eliseu Padilha, da Aviação Civil, os líderes dos partidos da base no Câmara se comprometeram a tentar evitar a votação de novas "pautas-bomba" e fazer, a exemplo do Senado, uma proposta de agenda positiva. Em troca, receberam a promessa de que a presidente Dilma Rousseff vai receber cada uma das bancadas, individualmente. Depois de uma semana complicada, em que o governo perdeu o controle dos aliados e os líderes informaram ao governo que não conseguiria segurar as votações, os deputados mudaram completamente o tom.

"O entendimento é que há de se fazer esforço coletivo para evitar votações de matérias que onerem e acarretem mais despesas, não só para Estados e municípios quanto para a União, ao exemplo do que foi feito com a PEC 443", disse o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE). "Vamos dialogar para evitar pautas que gerem despesas. E ficamos também de discutir, no início da próxima semana, uma pauta comum da base para a Câmara. É importante em um momento como este a Câmara dialogar com o País, agregarmos, a exemplo do que fez o Senado, uma pauta positiva para o País."

O clima foi totalmente diferente do encontro há uma semana, quando o governo ainda tentava evitar a votação da PEC 443, que vincula os salários dos advogados da União e dos delegados da Polícia Federal ao de ministros do Supremo Tribunal Federal, a um custo de R$ 2,4 bilhão ao ano. Do encontro, avaliado como "desastroso", saiu a maior derrota no governo na Câmara, quando a PEC foi aprovada com apenas 16 votos contrários. Guimarães deu a entender que os deputados sentiram a má repercussão da votação.

"A política é muito dinâmica. Cada semana é uma semana. Todos vocês sabem do impacto da votação da 443, o sentimento que se generalizou no País sobre essa decisão da câmara. A partir dessa análise construímos um novo patamar de diálogo que é muito importante para consolidar isso e refazer o que fizemos", afirmou Guimarães. O líder do governo foi o único a falar depois do encontro.

O deputado afirmou que ainda esta semana Dilma e Temer irão receber as bancadas individualmente para "dialogar sobre a necessidade de repactuarmos a base". A presidente deve ouvir queixas e cobranças sobre a falta de nomeações para cargos e liberação de emendas, uma das maiores reclamações das bancadas e que teria levado à rebelião da semana passada.