• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Nos EUA, Dilma evita falar sobre reforma administrativa

Política

Nos EUA, Dilma evita falar sobre reforma administrativa

Após discursar na conferência de mulheres presidente não quis falar sobre mudanças administrativas. "Não vou responder nada que seja de mudanças da minha reforma administrativa", afirmou

Dilma discursou em conferência de mulheres Foto: R7

Nova York - Às vésperas de concluir a reforma ministerial que deverá extinguir ministérios, entre eles a secretaria das Mulheres, a presidente Dilma Rousseff fez discurso na Organização da Nações Unidas com um balanço das ações do governo nesta área e apresentando compromissos para o futuro. "Mudemos esta realidade, no Brasil e no mundo. O lugar da mulher é na política - e onde mais ela quiser", afirmou a presidente no discurso, provocando risos na plateia. "Aliás, a sabedoria chinesa diz que a mulher é a metade do céu. Há 20 anos, na 4ª Conferência resolvemos que queríamos ser também a metade da terra", completou.

Após discursar na conferência de mulheres, a presidente Dilma, em coletiva, não quis falar sobre o destino desta e de outras pastas na reforma ministerial. "Não vou responder nada que seja de mudanças da minha reforma administrativa", afirmou a presidente, ao ser questionada pelo Estado se não era um contrassenso anunciar o que seriam avanços na área das mulheres e acabar com a Secretaria de Política para Mulheres. Dilma deixou claro, assim, que não tratará de questões de política interna durante sua viagem aos Estados Unidos, que se encerra nesta segunda-feira, 28, no final do dia.

A ministra Eleonora Menicucci, titular da Secretaria de Política para as Mulheres, integra a comitiva da presidente Dilma aos Estados Unidos, mas ainda não foi comunicada por Dilma oficialmente a extinção de seu cargo. A ideia da presidente é juntar três pastas da área social - Direitos Humanos, Política para Mulheres e Igualdade Racial - no novo Ministério da Cidadania, que poderá ser comandado pelo ministro Miguel Rossetto, atualmente na Secretaria Geral da Presidência.

Discurso para mulheres

Em seu discurso na conferência das mulheres, Dilma lembrou os "importantes avanços" obtidos após a 4ª Conferência das Nações Unidas sobre a Mulher: Ação para a Igualdade, o Desenvolvimento e a Paz, há 20 anos, mas reconheceu que "muito ainda falta por fazer". Segundo a presidente, "obtivemos avanços notáveis em matéria de legislação, de políticas de gênero, equipamentos públicos e ações voltadas para assegurar os nossos direitos".

A presidente Dilma citou que está "implantando, em todo o País, a Casa da Mulher Brasileira, para dar apoio, assistência e proteção às mulheres vítimas de violência". Informou ainda que "as mulheres também vêm sendo protagonistas do processo de inclusão social, em curso no Brasil", acrescentando que elas "são as principais receptoras das políticas de renda e de acesso à moradia, à saúde e à educação".

Em seguida, a presidente listou compromissos de seu governo com a política de mulheres que passam pela universalização do atendimento humanizado a todas as mulheres em situação de violência doméstica e sexual, garantia dos direitos sexuais e reprodutivos, redução da mortalidade materna, busca por salários iguais para trabalhos iguais, ações que garantam a participação das mulheres em cargos de poder nas empresas, combate a todo tipo de discriminação contra todas as pessoas, ampliação das creches na área urbana e sua implantação nas áreas rurais, a garantia da igualdade de oportunidades no acesso e ascensão em todos os níveis educacionais, da creche à pós-graduação e o desenvolvimento de ações que promovam maior participação das mulheres na política".