• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após reunião com Dilma, Wagner diz que presidente buscará apoio de governadores

  • COMPARTILHE
Política

Após reunião com Dilma, Wagner diz que presidente buscará apoio de governadores

Brasília - A presidente Dilma Rousseff (PT) deve receber governadores aliados na próxima semana em busca de apoio contra o pedido de impeachment aberto contra ela pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Segundo ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, a ideia é chamar, em outras oportunidades, também os governadores de oposição que seriam contrários ao processo.

O ministro afirmou também que a decisão do governo é fazer com que o processo de impeachment contra Dilma caminhe o mais rápido possível, "combinando legalidade com celeridade". Segundo ele, na reunião da presidente com 23 ministros na tarde desta quinta-feira, 3, foi pedido a todos que "verbalizassem" o ponto de vista contra o impeachment, aliado às ações junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) em busca de lacunas nas legislação. "Entrada na Justiça nada tem a ver com postergação. Nossa decisão é fazer o processo seja mais rápido possível, combinando legalidade com celeridade", disse o ministro.

De acordo com o ministro, o processo de impedimento não é exclusivamente político, se lastreia na questão jurídica e, na opinião do governo, não tem nenhum lastro em crime de responsabilidade contra a presidente. "Acreditamos que seguramente teremos uma vitória", disse.

Indagado sobre as manifestações previstas no Brasil, tanto pró quanto contra o impeachment, Wagner disse acreditar que alguns torcedores "contra Dilma" também se manifestarão contra o processo. "Não se trata só dos torcedores da presidenta Dilma. Queremos juntar os torcedores da institucionalidade e da democracia e vamos fazer um chamamento a todas as entidades que não sejam partidárias", completou.

Cunha

O ministro voltou a criticar o ato do presidente da Câmara e citou que a decisão só foi tomada após deputados do PT fecharem posição contrária a Cunha no processo enfrentado pelo parlamentar no Conselho de Ética. "Se a moda pega, vai se banalizar o instrumento tão nobre como o impedimento", afirmou Wagner, garantindo que pedaladas fiscais utilizadas para sustentar o pedido não são crime de responsabilidade. "Não há dolo, não há mácula, há uma crise. Não atingir a meta não configura nem dolo, nem crime de responsabilidade".

Wagner voltou a falar que a Cunha mentiu ao dizer que o deputado André Moura (PSC-SE) esteve reunido com Dilma e que ela teria proposto a ele o apoio do PT no Conselho de Ética em troca da aprovação da CPMF. "Ele (Moura), a que eu tenho respeito, não vai dizer que esteve com Dilma", afirmou.

Wagner voltou ainda a externar o alívio do governo com a decisão de Cunha, e afirmou que "agora que a faca foi puxada, as coisas vão começar a ficar mais claras", disse. "Com democracia não se brinca", concluiu.