• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Redes sociais se dividem sobre Luciano Huck

Política

Redes sociais se dividem sobre Luciano Huck

Nos últimos meses, as redes sociais de Luciano se tornaram uma tribuna para os fãs se manifestarem

A página de Luciano Huck no Facebook tem 17 milhões de seguidores, pelo menos três vezes mais do que o presidenciável mais bem posicionado nesse quesito: Jair Bolsonaro, que reúne pouco menos de 5 milhões. Nos últimos meses, a plataforma, que serve basicamente para o apresentador "esquentar" as atrações de seu programa semanal, tornou-se uma tribuna para os fãs se manifestarem sobre a suposta candidatura de Huck.

A surpresa é o tom das interações: "Fiquei triste quando soube que você iria entrar na política. Não faz isso com você, não! Você é um cara dez. Não só eu, mas milhões de Brasileiros te admiram, gostam de você e da sua família. Se você fizer isso, vai perder o respeito das pessoas", escreveu Glaucia Abreu.

A expectativa é que o apresentador confirme nesta segunda-feira, 27, o que escreveu em seu Facebook em 18 de outubro, quando dizia não ser candidato. "NÃO estou me lançando a nada, escrevi claramente: reafirmo que continuo achando que de onde estou, fora do dia a dia da política, minha contribuição pode ser mais efetiva e relevante."

Nessa publicação, seus seguidores foram contundentes em relação à hipótese do ídolo entrar para a política: "Você faz muito mais pelo Brasil do que qualquer político. Não se misture. Você não precisa disso. Te admiro muito. Continue assim como você é", escreveu a internauta Solange Coimbra. "Com o poder econômico que você tem, acredito que pode fazer muito, sem sujar seu nome nesta política fétida, que é a brasileira", comentou Luciana Vanderlei.

Na ocasião, seguidores críticos à hipótese de uma candidatura lembraram que o apresentador tinha (ou teve) ligações com partidos tradicionais e manchados pela chamada "velha política". Joseana de Silva, por exemplo, escreveu: "Sabemos perfeitamente das suas articulações, com pesquisas, marqueteiros e principalmente com o DEM".

A suposta amizade de Luciano Huck com o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e com o empresário Joesley Batista (proprietário da JBS) também foram ressaltadas - inclusive com fotos do apresentador ao lado dos dois.

Na rede

A vantagem numérica de Huck no Facebook em relação a outros presidenciáveis pode ser explicada pelo tempo do apresentador nas redes. Em 2012, ele já tinha 12 milhões de seguidores no Facebook. Antes disso, em 2009, foi o primeiro brasileiro a atingir a marca de 1 milhão de seguidores no Twitter.

Políticos mais tradicionais descobriram a importância das redes sociais mais recentemente. Apenas em 2014, presidenciáveis como Jair Bolsonaro (5 milhões de seguidores), Luiz Inácio Lula da Silva (3 milhões) e Marina Silva (2 milhões) consolidaram-se como presenças no Facebook. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por exemplo, só passou a investir em uma comunicação digital mais efetiva neste ano - e sua página conta com aproximadamente 800 mil seguidores.

Apesar de ter menos seguidores do que Huck, Bolsonaro interage mais com os internautas. O fato de se envolver em muitas polêmicas tem como consequência uma interatividade maior. Amor e ódio na internet rendem cliques.

Já no caso de Huck, o sucesso é maior com posts que mostram os bastidores do seu programa de TV ou cenas familiares - como uma foto, postada recentemente, de seu casamento com a também apresentadora da Rede Globo Angélica. A publicação teve mais de 163 mil curtidas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.