Síndrome de Burnout: qual o ritmo do seu trabalho?

Nosso primeiro artigo é sobre um tema bastante abordado nos últimos meses na mídia. Trata-se da Síndrome de Burnout – o estresse crônico causado pelo trabalho que pode levar o corpo e a mente ao esgotamento. A síndrome foi incluída na Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com A International Stress Management Association (Isma-BR) 32% dos brasileiros apresentam a síndrome. Em um ranking de oito países elaborado pela Isma-BR, estamos à frente da China e dos Estados Unidos – e perdemos apenas para o Japão, onde 70% da população apresenta os sintomas do burnout.

Diante desse cenário é importante refletirmos sobre a nossa relação com o trabalho. Já parou para analisar como está a qualidade e o ritmo? Quanto tempo do seu dia é dedicado a ele? Sente-se extremamente cansado e estressado?

Estamos trabalhando cada vez mais e na era da tecnologia, como celulares e smartphones, as tarefas se estendem além do espaço da labuta – afinal, vamos checar os e-mails, redes sociais e mensagem no whatsapp – que chegam às nossas casas interferindo no convívio familiar, nos momentos de lazer e de descanso. Não paramos. E quando não paramos, o corpo e a mente reagem.

Entre as reações físicas estão o alto nível de estresse, o qual provoca alterações no corpo e no cérebro, desregulando hormônios essenciais para o bom funcionamento do organismo; aumento da pressão sanguínea, causando taquicardia. As pessoas que trabalham sob tensão podem ter liberação excessiva de adrenalina e cortisol (hormônio do estresse), e, por fim, ocasiona outros transtornos, como insônia e redução da imunidade, o que facilita a entrada de infecções e doenças.

E quanto às reações emocionais? A síndrome de burnout deixa a pessoa irritadiça e desanimada. Atividades prazerosas perdem a graça. E à medida que vai crescendo pode levar a outros transtornos como crises de pânico.

Os sinais

Fiquem atentos aos sinais do seu corpo e da sua mente. Passamos a maior parte do nosso tempo no trabalho e ele deve ser um momento também de realização pessoal. Para lidar melhor com a rotina e pressão do dia a dia temos algumas dicas de pesquisadores da área.

– Durma bem. O dia será mais produtivo após 8 horas de sono;

– Liste as prioridades do dia por ordem de importância e pense em como vai executá-las. Se houver algum imprevisto é mais fácil decidir o que não será realizado;

– Ao planejar as tarefas do dia, vá para um ambiente sem distrações, como televisão, pessoas barulhentas, grande oferta de comida;

– Estabeleça o momento do dia que irá checar redes socais e mensagens;

– Faça pequenas pausas de 15 a 20 minutos para cada 90 minutos trabalhados (De acordo com a Medicina: 90 minutos é mais ou menos o ritmo natural do corpo para alternar entre estado de descanso e de alerta). Mas não vale fazer o intervalo com estímulos tecnológicos. E nada de celulares e vídeos no YouTube.

O diagnóstico

Só um profissional especializado – psiquiatra, psicanalista e psicólogo pode avaliar se o quadro é mesmo de burnout.

Tratamento

Psicoterapia é o mais comum. Em alguns casos, medicamentos antidepressivos e ansiolíticos são indicados. Praticar exercícios e fazer atividades de lazer ajudam a aliviar a tensão.

2 Replies to “Síndrome de Burnout: qual o ritmo do seu trabalho?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *