• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Internet e monitores: contato de alunos com tecnologias pode ser prejudicial à saúde

Saúde

Internet e monitores: contato de alunos com tecnologias pode ser prejudicial à saúde

Dispositivos oferecem riscos à saúde das crianças e adolescentes. É necessário o planejamento de familiares, professores e cuidadores para manter o processo de forma adequada.

Foto: Divulgação
Têm relevância o tempo de permanência na escola, o conteúdo repassado e a atuação dos educadores.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) alerta: escolas e creches devem ter cautela ao exporem alunos à internet e aos monitores de computador! Isso, porque evidências de pesquisas científicas sugerem que dispositivos tecnológicos de telas e mídias oferecem benefícios e riscos para a saúde das crianças e adolescentes.

Dessa forma, é necessário o planejamento de familiares, professores e cuidadores para manter o processo de desenvolvimento de forma adequada. “Diante da relevância da interdisciplinaridade e do tempo em que as crianças permanecem nas escolas, entende-se que o papel do educador nas escolas é fundamental para a formação de um ser humano saudável”, observam especialistas na área.

Segundo o documento (uso saudável de telas, tecnologias e mídias nas creches, berçários e escolas) publicado pela SBP, no dia 03 de junho, o desenvolvimento da criança é de responsabilidade da equipe de saúde, da família e do educador, que ajudam no processo de formação, sobretudo pelos exemplos e ações. Nesse sentido, têm relevância o tempo de permanência na escola, o conteúdo repassado e a atuação dos educadores, entre outros.

Riscos 

Entende-se como riscos os efeitos negativos para a saúde nas áreas do sono, da atenção, do aprendizado, do sistema hormonal (com risco de obesidade), da regulação do humor (com risco de depressão e ansiedade), do sistema osteoarticular, da audição, da visão, além do risco de exposição a grupos de comportamentos de risco e a contatos desconhecidos, com possibilidade de acesso a comportamentos de autoagressão, tentativas de suicídio e crimes de pedofilia e pornografia.

Esses efeitos deletérios já haviam sido abordados, de modo genérico, em outro documento lançado pela SBP em 2016. O trabalho “Saúde das crianças e adolescentes na Era Digital”, que deve ser lido e consultado por pais, professores, educadores, cuidadores, escolares e adolescentes sobre este assunto, recomendava o tempo adequado de exposição às telas e à internet para cada idade, de acordo com a maturação e desenvolvimento cerebral.

Os dois estudos produzidos pela SBP dialogam ao demonstrar evidências que quão mais nova a criança, menor a capacidade do cérebro de discernir a ficção da realidade. Além disso, durante os primeiros anos de vida a formação da arquitetura cerebral é acelerada e servirá de suporte para todo o aprendizado futuro.

“Torna-se essencial que os cuidadores e educadores priorizem atividades que auxiliem o aproveitamento do potencial dessas crianças e, portanto, o uso consciente das telas é fundamental. As escolas são fontes de conhecimentos e possuem papel importante em fornecer bons exemplos para pais e cuidadores. O seguimento das diretrizes que protegem e estimulam as crianças de forma adequada pode gerar mudanças significativas em toda a sociedade”, destacam os especialistas.