• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Conheça o novo tratamento para câncer de próstata sem cirurgia

Saúde

Conheça o novo tratamento para câncer de próstata sem cirurgia

Método que usa o ultrassom destrói o tumor com a possibilidade de menor sequela

Foto: Divulgação / Pexel
Tratamento é indicado para pacientes com determinado tipo de tumor, localizado e geralmente com baixa agressividade. Imagem ilustrativa. 

O novo espaço da antiga sede da Rede Record, onde funciona atualmente o Hospital Moriah e o Instituto Próstata iniciou neste mês os tratamentos de câncer de próstata utilizando o ultrassom de alta intensidade denominado HiFu, por meio da tecnologia Focal One, que combina a fusão de imagens com a terapia focal.

O tratamento é indicado para pacientes com determinado tipo de tumor, localizado e geralmente com baixa agressividade. Segundo o urologista Victor Srougi, do Moriah, “pode ser usado em pacientes que não desejam passar pela cirurgia ou radioterapia como tratamento primário”.

O ultrassom, já usado em diversos exames de imagem, neste procedimento é usado com altíssima intensidade diretamente no tumor, causando uma necrose no tecido da próstata onde está instalado, através de altas temperaturas. No entanto, por ser focalizado, o tecido sadio ao redor é totalmente preservado.

O tratamento também pode ser indicado para pacientes que tiveram uma rescidiva após a radioterapia, que é quando o tumor torna a aparecer. É um tratamento realizado sem cortes, por meio de um equipamento que processa os exames de imagem e informações clínicas do paciente e também emite as ondas de ultrassom por meio de um probe que se aproxima da próstata.

O equipamento funde as imagens de ressonância magnética da próstata do paciente, com as imagens de ultrassom feitas em tempo real, criando uma imagem em três dimensões que permite ao médico localizar o tumor dentro da próstata com muito mais eficiência.

Para Victor Srougi, urologista que se especializou na técnica, “o risco de incontinência urinária e impotência são substancialmente menores do que na cirurgia e na radioterapia, além de ser um procedimento que dura entre 1 e 2 horas, com alta no mesmo dia.”