Análise aponta presença de arsênio, chumbo, cobre e mercúrio em lama da barragem

Terceira amostra, coletada em Valadares (MG), traz índices alarmantes de elevação nos níveis toleráveis de vários metais analisados, como arsênio, bário, chumbo, cobre, mercúrio, níquel e outros

 Versão para impressão  
Empresa que presta serviço de abastecimento em Baixo Guandu analisa água do Doce
Empresa que presta serviço de abastecimento em Baixo Guandu analisa água do Doce
Foto: Divulgação/Prefeitura

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Baixo Guandu divulgou o resultado da análise, feita pelo laboratório Tommasi, da água coletada em três pontos diferentes ao longo do rio Doce, na última terça-feira (10).

A primeira coleta, feita na altura do município de Galileia (MG), mostrou uma água de transparência límpida. A segunda foi feita a 10 quilômetros de Governador Valadares, já com aparência turva (suja). No entanto, segundo o SAAE de Baixo Guandu, a análise mostrou que ambas as amostras estão dentro dos padrões de turbidez permitidos para tratamento e consumo.

A terceira amostra, coletada no rio Doce no Centro de Valadares, traz índices alarmantes de elevação nos níveis toleráveis de vários metais analisados, como arsênio, bário, chumbo, cobre, mercúrio, níquel e outros, que em excesso, são nocivos à saúde humana.

Vídeo mostra áreas atingidas por lama no interior do Estado

A Prefeitura de Baixo Guandu, junto aos órgãos competentes e às Secretarias Municipais de Meio Ambiente e de Serviços Urbanos, além do SAAE, está monitorando a qualidade da água do rio Doce em Baixo Guandu, antecipando-se à lama tóxica que deverá chegar ao município neste fim de semana.

“Quando esse volume de rejeitos chegar, aí sim, a captação será interrompida e serão colocadas em prática as ações emergenciais. Para garantir minimamente o abastecimento, a captação de água será feita no rio Manhuaçu-MG e na barragem da Usina de Aimorés e levada, através de auto tanques, até a estação de tratamento do SAAE de Baixo Guandu”, informa o diretor do órgão, Luciano Magalhães.

Ao mesmo tempo, a Prefeitura de Baixo Guandu, por meio do SAAE e da Secretaria de Serviços Urbanos, colocou dezenas de trabalhadores nas obras do antigo canal Fritz Von Lutzow, que está sendo reaberto para a captação de água do rio Guandu, o que manterá parte do abastecimento de água na cidade.

O prefeito Neto Barros (PCdoB) lidera um protesto para bloquear a estrada férrea que passa o município de Baixo Guandu. A intenção é cobrar soluções práticas para as comunidades atingidas pelos rejeitos da Samarco.

Em nota, a Samarco afirmou que desconhece o laudo técnico mencionado. A empresa reforça que o rejeito é classificado como material inerte e não perigoso, conforme norma brasileira de código NBR 10004-04, o que significa que não apresenta riscos à saúde pública e ao meio ambiente. Proveniente do processo de beneficiamento do minério de ferro, o rejeito é composto basicamente de água, partículas de óxidos de ferro e sílica (quartzo).

TAGs

  • água
  • análise
  • baixo guandu
  • metais
  • neto barros
 Versão para impressão  

MAIS LIDAS

Jornal Folha Vitória
Todos os direitos reservados © 2007-2016