ECONOMIA CIRCULAR: Um caminho sem volta para uma nova era

Estamos vivendo a quarta revolução industrial, que se caracteriza não somente por novos desenvolvimentos tecnológicos, como a robótica avançada ou a internet das coisas, mas também por uma nova maneira de produzir e de consumir de forma cada vez mais integrada, devido a fusão de tecnologias e a interação entre os domínios biológicos, físicos e digitais.
O desenvolvimento tecnológico atingiu uma velocidade jamais alcançada ou esperada no mundo. Tal fato impacta e muda a forma de viver das pessoas, causando uma mudança no comportamento do consumidor, onde “os meios importam”, ou seja, como eu produzo, o que e como eu extraio ou preservo na natureza durante o processo produtivo de determinado produto bem como na entrega dos serviços. O que antes passava desapercebido pelos consumidores, hoje é “enxergado” e tal mudança impacta diretamente no marketing e na sobrevivência das empresas.
Diante deste novo contexto, muitas empresas se depararam com o paradigma de desenhar, conceber e produzir de maneira sustentável e isto tem levado a questionamentos que vão além do ponto de vista técnico-econômico, já que as pressões sociais e ambientais por sistemas produtivos que não gerem impactos negativos à sociedade são crescentes e urgentes em todo o mundo.

O Mapa Estratégico da Indústria 2018-2022, lançado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apresenta uma agenda para aumentar a competitividade da indústria e do Brasil bem como elevar o bem-estar da população ao nível dos países desenvolvidos [1].

O maior valor atrelado ao desenvolvimento sustentável é a expansão da liberdade dos seres humanos e do bem-estar social. A designação Economia Circular se refere ao uso eficiente dos recursos, visto que externalidades negativas causadas por atividades que geram custos não calculados impactam ambiental e socialmente milhões de pessoas.

O desafio no avanço da economia circular se deve à dificuldade do atual modelo de produção-consumo-descarte que impõe restrições à sociedade contemporânea, como a exaustão dos recursos naturais, a escassez hídrica, a perda de biodiversidade e as mudanças climáticas.

Um exemplo claro de externalidade negativa é o custo social e ambiental do descarte de resíduos sólidos provenientes de fontes diversas. O preço dos produtos não considera por exemplo, que embalagens e materiais eletroeletrônicos obsoletos, ao serem descartados e dispostos, ainda que corretamente, gerarão custo ambiental e social.

Se as empresas inovam para o mercado, produtos e processos devem passar a ser pensados com um novo mindset, o circular, pois urge a necessidade de um novo equilíbrio, onde empresas de todos os portes necessitam fortalecer conjuntamente suas cadeias produtivas para possibilitar o desenvolvimento de projetos sistêmicos.

As atividades econômicas em um modelo circular permitem a geração, restauração e preservação do valor de produtos e serviços no longo prazo para todas as partes envolvidas no sistema econômico [2].

A inovação nos processos produtivos provê a captura de valor ao substituir produtos químicos convencionais por matérias-primas renováveis ou biodegradáveis bem como reduzir o consumo de energia e de água, diminuindo drasticamente a geração de resíduos. Adicionalmente, os recursos devem ser geridos em uma lógica circular de criação e reutilização onde cada passagem de ciclo se torna um novo ‘berço’ para determinado material.

Ao conceber embalagens com maiores índices de reciclabilidade, os designers de produtos propiciam o avanço da Economia Circular e consequentemente da sustentabilidade (econômica, social e ambiental), pois oportunidades de negócios são geradas no Brasil ao reduzir a dependência de importação de matérias-primas. Todo material/produto tem um valor intrínseco e pode ser renovado desde que projetado e pensado previamente para retornar aos seus ciclos, sejam eles biológicos ou técnicos.

O conceito de design Cradle to Cradle (C2C), ou “do berço ao berço” é uma abordagem alternativa ao modelo linear, que direciona os recursos “do berço ao túmulo”, expressão usada na análise de ciclo de vida para descrever o processo linear de extração, produção e descarte.

De acordo com a ABRELP (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais) em 2018, foram geradas no Brasil 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) sendo que 6,3 milhões de toneladas não foram recolhidas junto aos locais de geração. A destinação adequada em aterros sanitários recebeu 59,5% dos RSU coletados totalizando 43,3 milhões de toneladas. O restante (40,5%) foi despejado em locais inadequados por 3.001 municípios. Ou seja, 29,5 milhões de toneladas de RSU acabaram indo para lixões ou aterros controlados, que não contam com um conjunto de sistemas e medidas necessários para proteger a saúde das pessoas e o meio ambiente contra os diversos tipos de danos causados e degradações, que são custosas para serem remediadas e de difícil execução.
Alguns exemplos práticos de Economia Circular que vem sendo praticados no Brasil e no mundo demonstram a viabilidade da transição do modelo linear para o circular bem como as inúmeras vantagens associadas, já que o modelo circular propõe que o valor dos recursos extraídos e produzidos seja mantido em circulação por meio de cadeias produtivas integradas.

A adoção de estratégias para valorização dos resíduos sólidos urbanos é uma das premissas da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), Lei nº 12.305/10, visto que do total de resíduos sólidos gerados de origem urbana ou industrial, mais de 90%, podem retornar para a cadeia produtiva como produtos, insumos energéticos ou aditivos agrícolas.
O desenvolvimento e utilização de bioembalagens totalmente compostáveis (zero resíduo) constituídas por matéria prima de fonte renovável e atóxicas, vem aumentando no mundo e inclusive no Brasil.
Embalagens comestíveis e feitas com matéria-prima 100% brasileira e sustentável, como a mandioca, tem sido desenvolvidas e produzidas por empresas como a OKA Biotecnologia e a Marvi Alimentos, que proporciona o zero descarte na prática de degustação de café pois o Cup feito de casquinha de sorvete e chocolate pode ser comido após a ingestão da bebida quente.

O EcoPure® tecnologia biodegradável da Bio-Tec Environmental, é um produto a base de ingredientes orgânicos, formulado para promover a biodegradação dos plásticos tratados. É um aditivo que acelera a biodegradação de forma natural de todos os tipos de plásticos através de uma série de processos bioquímicos e biológicos quando descartados em ambientes ricos em micróbios, como aterros sanitários. Permite que o plástico seja consumido (como fonte de alimento e energia) pelos micróbios. O EcoPure® funciona permitindo que os plásticos tratados sejam suscetíveis a ataques biológicos, liberando enzimas.

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO x BIGDATA AMBIENTAL
O setor da construção civil é um grande consumidor de recursos não renováveis destacando-se os de origem mineral, tendo expressiva participação na taxa de geração de poluentes e geração dos resíduos de construção e demolição (RCD) ou “entulho”, que compõem-se de restos de materiais gerados nessas atividades como tijolos, concreto, argamassa, madeira, aço, telhas, azulejos, cal, gesso dentre outros.

Grande percentual do RCD gerado pode ser reciclado e reintroduzido na cadeia de construção civil novamente, desde que haja sistema de recolhimento e valorização adequados para o RCD. De acordo com a ABRELPE, em 2018 os serviços de limpeza dos municípios brasileiros coletaram 122.012 toneladas de RCD por dia e refletem, em sua maioria, apenas aquilo que foi abandonado em vias e logradouros públicos. Dados da Pesquisa Setorial 2017-2018 da ABRECON (Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição) descrevem que 105 milhões de toneladas por ano são gerados de RCD e apenas 25% destes resíduos são reciclados.
O desenvolvimento em 2019 de um Controle de Transporte de Resíduos Eletrônico (GRX WASTE TRACK) que possibilita o rastreamento via rádio frequência das caçambas contendo os resíduos da construção civil até a disposição no destino final incluindo dashboards com informações em tempo real do cenário de resíduos da construção civil da cidade, permite a obtenção de insights de melhorias no fluxo completo do descarte do RCD bem como a redução dos milhões gastos no recolhimento de entulho disposto irregularmente em pontos viciados e clandestinos, sendo que as informações do processo e fluxo das operações é totalmente controlada, impedindo fraudes raramente detectadas pelo órgão público local.
Economia Circular é um conceito totalmente sistêmico, de abrangência multidisciplinar e intrinsicamente ligado ao desenvolvimento e inovação, que deve ser pensado de maneira peculiar para cada país, região e cultura e pautado na construção de um novo paradigma econômico, não apenas pelo compromisso com o cuidado ao meio ambiente mas porque estamos vivendo um novo tempo, no qual importa não ultrapassar limites que colocam

em risco a vida no planeta.

Patrícia Pulcini Donaire – Química/Doutora em Ciências [Unicamp] com experiência em consultoria e auditoria em empresas brasileiras e multinacionais de vários segmentos nas seguintes normas: ISO 50001 (Sistemas de Gestão de Energia), ISO 14001 (Sistemas de Gestão Ambiental), ISO 9001 (Sistemas de Gestão da Qualidade) e ISO 45001 (Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional).

Empresa: Mindset Circular Consultoria em Sustentabilidade e Inovação Tecnológica –  Email: [email protected]

Participação Técnica especial – Eng. Paulo Lana da Diretoria de Negócios Corporativos – Gerência Administrativa VAMTEC GROUP

Bibliografia Citada

[1] Confederação Nacional da Indústria. Mapa estratégico da indústria 2018-2022 / Confederação Nacional da Indústria. – Rev. e atual. – Brasília: CNI, 2018. 209 p.

[2] Confederação Nacional da Indústria. Economia circular: oportunidades e desafios para a indústria brasileira / Confederação Nacional da Indústria. – Brasília: CNI, 2018. 64 p.

[3] Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos. Especiais, Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2018/2019.

[4] ABRECON Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição Pesquisa Setorial 2017-2018 Site https://abrecon.org.br/pesquisa_setorial/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *