Thiago Abreu
IMÓVEL PARA VOCÊ

porThiago Abreu

Jan 2021
11
Thiago Abreu
IMÓVEL PARA VOCÊ

porThiago Abreu

Jan 2021
11

Expansão do mercado em um momento de incertezas

Consolidada no mercado imobiliário de Vila Velha, a Grand Construtora viu o ano de 2020 como uma oportunidade para expandir a atuação na Grande Vitória. Assim surgiu o Grand Suá Tower, que marca a entrada da empresa na cidade de Vitória, com unidades oferecendo vista privilegiada a cartões-postais capixabas e localização no histórico bairro da Praia do Suá. O projeto arquitetônico, assinado pelo renomado Gregório Repsold, apresenta design contemporâneo valorizado por linhas arrojadas com tons, texturas e acabamentos diferenciados. A adesão superou as expectativas. Atualmente, o prédio já conta com 82% das unidades vendidas e a projeção é de que tão em breve todos os apartamentos sejam adquiridos.

Quando o assunto é sucesso de vendas, aliás, outro destaque do portfólio da construtora é o edifício Mar do Leste, na Praia de Itaparica, em Vila Velha, que teve 100% de suas unidades vendidas em apenas quatro meses. A credibilidade e confiança inspiradas pela Grand ultrapassam os limites do território nacional e alcançam até mesmo quem reside fora do país e que deseja adquirir um imóvel em terras capixabas. Por isso, atualmente, a construtora conta com canais de comunicação para facilitar esse intercâmbio e tornar mais acessível o processo de vendas.

Um novo ano com otimismo e empreendimentos planejados

O cronograma de 2021 da Grand Construtora está encaminhado. O planejamento é de que sejam lançados quatro empreendimentos no próximo ano, sendo 2 em Vitória e 2 em Vila Velha, com propostas inovadoras e vistas privilegiadas, características marcantes da empresa. O diretor presidente da construtora, Rodrigo Barbosa, vislumbra um ano otimista para a economia, em especial para o setor da construção civil. “Vivermos 2020 foi importante para que enxergássemos a relevância de valorizar o que construímos, em todos os aspectos. Para muitos, a moradia era apenas um local de ‘passagem’. Passava-se pouco tempo aproveitando o interior da nossa casa. Agora, vemos que qualidade de vida é poder desfrutar de cada canto dela”, destaca.

O empresário analisa que essa mudança da perspectiva sobre qualidade de vida também se insere no contexto empresarial, pois as pessoas observaram a mudança de rotina e passaram a avaliar questões como tempo de deslocamento entre casa e trabalho, além da proximidade de grandes centros comerciais e outros pontos que visam a praticidade. “Isso potencializou a busca por escritórios com localização privilegiada e a tendência é de que as construções acopladas a lojas e serviços cresçam cada vez mais”, prevê.

Postado Agora

Visita virtual reverteu em mais contratos

Assim como a videoconferência e a live musical, a visita a imóveis em modelos 3D é um recurso que ganhou mais fôlego na pandemia de Covid-19. As empresas que prestam esse serviço dizem que sua clientela aumentou bastante no isolamento social. A House Viewer 360°, produtora paulista que desenvolve versões tridimensionais de plantas de imóveis, diz que houve um crescimento de 47% no número de clientes imobiliárias de março a setembro do ano passado. Outro estúdio do ramo, o Imóvel Virtual 360, afirma ter subido a clientela de 50 empresas em 2017 para 2.000 atualmente.

Postado Agora

Gestão condominial e continuidade da inovação

A pandemia trouxe novas situações e síndicos e condomínios tiveram que enfrentar desafios nunca vistos e sequer previstos em convenções ou regulamentos internos. Os reflexos da pandemia continuarão fortes nos condomínios este ano. Mesmo com os planos do governo de iniciar a vacinação da população em fevereiro, tudo leva a crer que o isolamento social ainda se fará necessário por boa parte de 2021. Dessa forma, os gestores condominiais devem ter muita responsabilidade e planejamento para conduzirem os condomínios.

Postado Agora

Fundo imobiliário (FII) 'de papel' não é renda fixa

Você já deve ter escutado que investir em um Fundo de Investimento Imobiliário (FII) “de papel” é investir em renda fixa. Essa associação acontece, muita das vezes, pelo fato de um FII de papel investir em títulos lastreados em renda fixa. Mas engana-se quem faz tal afirmação. Isso porque todos os FIIs, inclusive fundos de papel, são classificados dentro do universo de renda variável.

As informações/opiniões aqui escritas são de cunho pessoal e não necessariamente refletem os posicionamentos do Folha Vitória

Pular para a barra de ferramentas