Maio 2021
6
Vinicius Torres
MERCADO DIÁRIO

porVinicius Torres

Maio 2021
6
Vinicius Torres
MERCADO DIÁRIO

porVinicius Torres

Setor bancário

Itaú Unibanco (ITUB4)

O Itaú registrou um lucro líquido ajustado de R$ 6,4 bilhões no primeiro trimestre de 2021, um aumento de 19% em relação ao trimestre anterior e de 64% em relação ao mesmo trimestre de 2020. O resultado equivale a 18,5% de ROE — Return on Equity Return on Equity — ou seja, o retorno obtido em relação ao patrimônio líquido foi de R$ 18,5 para cada R$ 100.

O lucro veio acima do esperado pelo time de research do BTG Pactual em 7% e acima do consenso do mercado em 10%. Destaque para as provisões de perdas, nesse sentido, que vieram 25% menores do que as expectativas do BTG, entre outros ganhos anormais do trimestre. Além disso, as receitas de serviços caíram 2,9% na comparação com o quarto trimestre, mas ainda estão estáveis ante o primeiro trimestre de 2020.

Os empréstimos aumentaram 2% no trimestre e 8% anualmente, e os níveis de inadimplência reduziram na comparação anual. Com isso, as provisões ficaram em R$ 4,4 bilhões no primeiro trimestre, em queda de 21% ante o trimestre anterior e 57% anualmente. O Opex, que são as despesas operacionais, ou seja, aquele capital empregado para manter os bens físicos da empresa, veio 2% superior à projeção do BTG, em queda de 7% no trimestre e alta de 3% anualmente.

Bradesco (BBDC4)

O lucro ajustado do Bradesco no primeiro trimestre foi de R$ 6,5 bilhões, o equivalente a uma queda de 4% ante o trimestre anterior e aumento de 74% ante o mesmo período de 2020.

Um dos destaques que o BTG Pactual apontou no balanço foi o controle de custos. As despesas com pessoal e administrativas diminuíram 5% na comparação com o primeiro trimestre de 2020, sendo o melhor corte entre os grandes bancos brasileiros. Também reduziram em 83 o número de agências e cortaram 888 funcionários.

Após excluir os efeitos da variação cambial, o crédito cresceu 4% no trimestre e 9% ao ano, mesmo com a base de comparação alta devido ao aumento dos empréstimos corporativos em março de 2020 com a pandemia.

As receitas de serviços diminuíram 7,5% trimestralmente e 3% anualmente. Um dos motivos são as receitas mais baixas em cartões com a atividade econômica mais fraca. O negócio de seguros, por outro lado, apresentou uma recuperação de 38% no trimestre e de 7% no ano. Ainda, tem sido destaque o programa recente de recompras de ações.

Banco do Brasil (BBAS3)

O balanço do Banco do Brasil deve sair hoje (06). Por isso, trouxe as expectativas em relação aos seus resultados. Nesse sentido, a projeção do BTG para o lucro líquido no primeiro trimestre é de R$ 4,02 bilhões. Já o consenso de mercado aponta para R$ 3,99 bilhões. No mesmo período do ano anterior, assim como no quarto trimestre de 2020, esse indicador veio em R$ 3,2 bilhões, o que simboliza uma alta de 20% em ambos os cenários caso as projeções se concretizem.

B3 (B3SA3)

Por fim, a bolsa de valores brasileira, a B3, também deve divulgar o seu balanço hoje (06). As estimativas do BTG Pactual apontam para uma alta de 12% nos lucros na comparação anual, assim como alta de 5% na comparação trimestral. Já as receitas devem subir 18% no primeiro cenário e cair 1% na comparação trimestral.

Seguradoras

Porto Seguro (PSSA3)

A empresa registrou lucro líquido de R$ 295 milhões, em alta de 30% no ano, em linha com o consenso e 5% abaixo da projeção do BTG Pactual. Assim, seu ROE ficou em 14%.

Os resultados das quatro áreas do negócio passaram a ser contabilizados também de forma separada. Em relação aos seguros, os prêmios, ou seja, o valor pago por cada segurado para a aquisição do produto, cresceu 6,6% no ano. Já os produtos financeiros apresentaram crescimento da carteira de crédito para R$ 10,4 bilhões, em alta de 29,0% em relação ao primeiro trimestre de 2020.

BB Seguridade (BBSE3)

O lucro líquido recorrente cresceu 7% no trimestre e 11% na comparação anual, em R$ 977 milhões, o que equivale a um ROE de 58%. Os prêmios brutos também tiveram alta, de 7% na comparação anual, mas em queda de 16% ante o quarto trimestre. Já o lucro líquido da BrasilPrev chegou a R$ 256 milhões, em alta de 112% trimestralmente e de 56% anualmente. Já a BrasilCap, auxiliada pelas maiores arrecadações de títulos de capitalização e receitas financeiras, teve lucro de R$ 48 milhões, em alta de 49% no trimestre e de 28% anualmente.

Por fim, vale lembrar que a BBSE3 é subsidiária do BB, com ações penalizadas recentemente pelo ruído político em relação ao Banco do Brasil.

Essa coluna tem como único propósito fornecer informações e não constitui ou deve ser interpretada como uma oferta, solicitação ou recomendação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócio específica. Possi finalidade meramente informativa, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico.

Veja também

As informações/opiniões aqui escritas são de cunho pessoal e não necessariamente refletem os posicionamentos do Folha Vitória

Pular para a barra de ferramentas