Maio 2021
13
Vinicius Torres
MERCADO DIÁRIO

porVinicius Torres

Maio 2021
13
Vinicius Torres
MERCADO DIÁRIO

porVinicius Torres

Faturamento dos shoppings caiu 33,2% em 2020

É claro que o lockdown surtiu efeitos negativos no setor de shoppings, resultando no aumento da vacância, ou seja, dos espaços vagos a serem locados. A média deste indicador saiu de 4,7% em 2019 para 9,3% em 2020, de acordo com a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). A partir disso, o mercado reagiu ao renegociar contratos e, mesmo assim, ver suas receitas reduzirem, minando o pagamento de dividendos aos investidores, por exemplo.

Ainda de acordo com dados da Abrasce, o faturamento do setor de shoppings caiu de R$ 192,8 bilhões em 2019 para R$ 128,8 bilhões em 2020, isto é, uma redução de 33,2% após cinco anos seguidos de altas no indicador. Além disso, o número de visitantes nos 601 shoppings brasileiros considerados caiu 32% na mesma comparação, de 502 milhões para 341 milhões.

Apesar dos pontos negativos, esse choque fez o setor se desenvolver tecnologicamente muito rápido. “Os varejistas e administradores de shoppings evoluíram em seu omnichannel, aprimorando o link entre o físico e o digital, que nunca esteve tão forte”, contou Eduardo Schmidt, superintendente na Iguatemi Empresa de Shopping Centers.

Nesse sentido, os shoppings que possuem marketplace — espaço online para vendas — saíram de 11% antes da pandemia para representar 29% do total ao fim de 2020. Isso sem falar que, dentre aqueles que não possuem essa estrutura, 59% pretendem instalar nos próximos dois anos.

No primeiro trimestre deste ano, por outro lado, após novas restrições aos shoppings, com horário de funcionamento reduzido, as vendas caíram cerca de 30% a 40% em relação aos níveis anteriores à Covid-19. Com isso, vale ressaltar que o BTG Pactual estima um aumento nas taxas de vacância e inadimplência, com as receitas consolidadas caindo 17% a/a.

Por fim, Schmidt completou que, com a implementação de protocolos de segurança mais rigorosos contra a Covid-19 dentro do ambiente controlado dos shoppings, as perspectivas apontam para uma tendência de que as pessoas escolham estes espaços para voltar a consumir em detrimento de outros, em função da maior segurança sanitária.

Alguns exemplos de players deste mercado

Iguatemi (IGTA3)

O Iguatemi dispõe de uma rede de shoppings voltada para o alto padrão em São Paulo, sendo esta uma das faixas do mercado que teve mais resiliência durante o momento de crise.

Seu lucro líquido em 2019 havia sido de R$ 314,30 milhões, caindo para R$ 202,32 milhões em 2020. Mas essa métrica já indicou recuperação no primeiro trimestre de 2021, quando veio em R$ 39,8 milhões, uma alta de 219,9% a/a. Seus shoppings ficaram abertos cerca de 60% do que habitualmente ficam em tempos normais durante o primeiro trimestre. Com isso, as vendas reduziram em 25,6% a/a e a vacância aumentou 3,2 pontos percentuais, em 9,7%.

Aliansce Sonae (ALSO3)

As ações da empresa, apesar de ganhos e perdas no caminho, se mantêm relativamente na estabilidade em patamares abaixo do desempenho histórico desde março de 2020.

No balanço do quarto trimestre, último divulgado, a empresa reportou receitas de R$ 217 milhões, em queda de 19% a/a, e o lucro líquido em queda de -95% na mesma comparação. Já a inadimplência foi de 5,2% e a taxa de ocupação de seus espaços aumentou para 95,8%.

Em 2019, o lucro líquido foi de R$ 56,63 milhões, e em 2020 este aumentou para R$ 202,47, apesar da pandemia.

BR Malls (BRML3)

Em 2019, a empresa lucrou R$ 1,38 bilhões, enquanto em 2020 acumulou prejuízo de R$ 336,11 milhões.

No último balanço divulgado, do quarto trimestre de 2020, a receita líquida havia atingido R$ 267 milhões, em queda de -24% a/a. A taxa de vacância caiu para 4% e as vendas nas mesmas lojas caíram 16,3% a/a. Por fim, o lucro líquido teve uma queda de -51% a/a, em R$ 199,5 milhões.

Multiplan (MULT3)

A receita líquida da Multiplan no último balanço divulgado, referente ao primeiro trimestre de 2021, atingiu R$ 266 milhões, uma queda de -18% a/a. Já o Ebitda ajustado totalizou R$ 131 milhões, também em queda, de -51% a/a. No período, os shoppings da Multiplan ficaram abertos por 63% do tempo habitual de operação e as vendas nas mesmas lojas caíram 27% a/a. Além disso, a taxa de vacância aumentou para 5,4%.

O lucro líquido no primeiro trimestre foi de R$ 46,3 milhões, queda de -74% a/a, enquanto o lucro líquido em todo o ano de 2019 foi de R$ 469,20 milhões e em 2020 chegou a R$ 963,98 milhões.

Essa coluna tem como único propósito fornecer informações e não constitui ou deve ser interpretada como uma oferta, solicitação ou recomendação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócio específica. Possi finalidade meramente informativa, não configurando análise de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM Nº 598, e não tendo como objetivo a consultoria, oferta, solicitação de oferta e/ou recomendação para a compra ou venda de qualquer investimento e/ou produto específico.

Veja também

As informações/opiniões aqui escritas são de cunho pessoal e não necessariamente refletem os posicionamentos do Folha Vitória

Pular para a barra de ferramentas