Ricardo Frizera
MUNDO BUSINESS

porRicardo Frizera

Nov 2019
22
Ricardo Frizera
MUNDO BUSINESS

porRicardo Frizera

Nov 2019
22

Nosso judiciário não está preparado, afirma Pacheco

Marcelo Pacheco sempre teve um pensamento analítico e cartesiano, voltado para áreas como ciência e engenharia. Durante a juventude chegou a flertar com o curso de Economia, mas, ao final, seu gosto por persuasão e argumentação o fez decidir pelo direito.

Entre estágios e o mestrado na USP, Pacheco sempre manteve uma rotina incansável. Segundo ele, chegar a uma posição de destaque na advocacia exigiu privações: “no mercado, você só vai ter lugar se estiver entre os 1% melhores. O que possibilitou minha evolução foi abdicar da praia com amigos para estudar”. Ele usa como exemplo Cristiano Ronaldo: "ele não nasceu o melhor jogador do mundo. Mas ele foi tão obstinado que conseguiu chegar onde queria."

Para Pacheco, a comunicação com o cliente exige a capacidade de gerar relatórios e dados que traduzam em números os benefícios gerados pela atuação do advogado, o que ele chamou de "jurimetria", uma visão mais moderna e econômica da profissão.

Essa atuação é fruto da vertente liberal que Pacheco adota com relação ao direito, que utiliza o ferramental da economia e se distancia do que domina nas faculdades. "Valorizo a liberdade, o respeito aos contratos e a segurança jurídica."

Ele analisa que a ausência desses valores no nosso sistema judiciário resulta em uma insegurança que é improdutiva para o ambiente de negócios: "os contratos são baseados em um equilíbrio muito delicado. Assim, as constantes mudanças de entendimento da justiça e do Ministério Público prejudicam as empresas. O judiciário não está preparado para entender a complexidade econômica dos contratos" finaliza.

Palavra do Especialista

Onde está o investidor estrangeiro?

O investidor estrangeiro é fundamental para o desempenho da economia e dos investimentos brasileiros a longo prazo. Sem eles, ficamos limitados. Mas, onde estão? Em 2019, eles retiraram U$S 20 bilhões do país.

O estrangeiro enxerga o Brasil dentro de blocos, como o dos “Países Emergentes” e o da “América Latina”. Ou seja, desempenho das outras nações influenciam em como somos vistos.

Não é difícil de perceber que existem diversos problemas na América Latina e em outros países emergentes, além dos riscos geopolíticos como a guerra de tarifas entre EUA e China e o Brexit. Essa percepção de risco afasta os investidores do Brasil.

A boa notícia é: o dever de casa está sendo feito. Com as reformas políticas e uma retomada consistente da economia, a entrada do estrangeiro é questão de tempo, impulsionando ainda mais a economia e a bolsa brasileira.

Postado Agora

Maratona de tecnologia da Lidera UFES para solucionar desafios da saúde capixaba

O Lidera UFES, juntamente com a Lidera Health, lançaram a 2º edição do HackathonES, que será uma maratona de tecnologia voltada ao desenvolvimento de soluções aplicáveis a área da saúde e segurança. Serão 48 horas de foco total no desenvolvimento de soluções que precisam de uso estratégico de dados aplicados a tecnologias, como Inteligência Artificial e Ciência de Dadopara o campo da saúde e segurança no trabalho, com o prêmio de R$2.500 para a equipe vencedora. Acontece nos dias 07 e 08 de Dezembro, inscrições em linkto.bio/lideraufes/

Postado Agora

Fintech pag! comemora um milhão de cartões aprovados

Pag!, a fintech que está há dois anos no mercado, alcançou um número bastante expressivo dentro de um segmento tão competitivo como o financeiro: um milhão de cartões aprovados! “Estamos muito felizes com os resultados desse ano. Em 24 meses, conseguimos atingir mais de 6 milhões de pedidos, um volume maior do que os nossos concorrentes diretos no segmento receberam no mesmo período, e, agora, chegamos a um milhão de cartões aprovados. Isso é um marco para nós e de grande importância para a nossa história”, afirma o CEO do pag!, Felipe Félix.

Postado Agora

Total Care lança nova marca e nova unidade

A Total Care agora é Total Health. O Hospital de Transição e Especializado em Cuidados Paliativos lançou ontem (21) sua nova marca e sua nova unidade de internação. Os sócios Rafael Martins e Fernanda Muniz anunciaram novidades para 2020: expansão para outros estados e alta assistida. Apostam no negócio porque segundo eles “a população idosa vai crescer e a quantidade de pacientes com doenças crônicas consequentemente também”. Falaram também o gerente financeiro Bruno Rigamonti e a gerente administrativa Renata Carrera, destacando a importância do trabalho em equipe no cuidado dos pacientes.

As informações/opiniões aqui escritas são de cunho pessoal e não necessariamente refletem os posicionamentos do Folha Vitória

Pular para a barra de ferramentas