Jan 2020
18
Ricardo Frizera
MUNDO BUSINESS

porRicardo Frizera

Jan 2020
18
Ricardo Frizera
MUNDO BUSINESS

porRicardo Frizera

Instagram, Twitter e Tiktok não nasceram com esses nomes

O ato de pivotar é inerente à forma como uma startup ou empresas com gestão moderna funcionam. Nos novos ambientes corporativos, o imperativo é o teste de projetos de maneira rápida com o menor gasto de recursos possível. Com isso, as startups abandonam os produtos/serviços com piores resultados e mantém os mais utilizados– mesmo que isso signifique “cortar um braço” da empresa.

As empresas que listamos a seguir utilizaram a experimentação e agilidade para pivotar e crescer de maneira exponencial.

TWITTER

Muito antes de ser palco da política mundial, o Twitter se chamava Odeo e estava voltado para algo bem diferente: podcasts. No entanto, quando o iTunes (da Apple) começou a transmitir podcasts, o fundador do Odeo, Evan Williams, se viu sem rumo e prestes a falir.

Em 2006, membros do Odeo apresentaram uma ideia nada convencional: uma plataforma em que suas mensagens seriam transmitidas para todos seus amigos simultaneamente. A ideia foi comprada pelo grupo e o Odeo abandonou os podcasts e se voltou para um modelo de rede social completamente diferente. Hoje, o sucesso dos tweets é inegável e a rede faz parte da cultura popular mundial.

INSTAGRAM

O Instagram também não começou como Instagram. Começou como Burbn. Esse app criado por Kevin Systrom e Mike Krieger estava buscando surfar na onda do sucesso da funcionalidade check-in, até então capitaneada pelo Foursquare.

No início o Burbn tinha diversas funcionalidades, como marcar futuros encontros com amigos e compartilhar sua localização. Contudo, a única proposta do Burbn que realmente despontou foi a funcionalidade de compartilhamento de fotos com os amigos.

O co-fundador do app, Systrom, comenta que, na época, “o Facebook já imperava no mundo das redes sociais, mas a versão mobile não possuía um sistema de compartilhamento de fotos agradável.” Então ele achou um nicho ótimo para atuar.

Após meses de pesquisa e desenvolvimento, Systrom e Krieger finalmente estavam com um app que tinha uma única funcionalidade: publicar fotos. Seu nome: Instagram Ao final, pivotar também significa “simplificar”.

TIKTOK

Uma das redes sociais que mas cresce no mundo hoje, inicialmente, a empresa desenvolveria um aplicativo que usaria Inteligência Artificial para a seleção e disseminação de notícias. No entanto, hoje a startup se tornou uma plataforma de compartilhamento de vídeos curtos bem humorados, que até o final 2019 deve arrecadar US$ 14,8 bi em aportes.

Empresas querem captar bilhões (de você) em 2020

O mercado financeiro brasileiro promete estar mais aquecido que nunca em 2020. Com novas ofertas de ações e captações de recursos das empresas brasileiras buscando alcançar recordes, nossa economia mostra sinais de retomada que vão muito além do PIB.

Em 2020, os bancos de investimento se preparam para um volume inédito de emissões de ações. Em 2019, esse mercado movimentou quase R$90 bi e, nesse ano, pode mais que dobrar e chegar a R$200 bi.

No ano passado, os números também foram muito positivos para captações de recursos pelas empresas brasileiras. Em 2019, companhias receberam meio trilhão de reais de investidores locais e estrangeiros. As emissões de debêntures (títulos de dívida) seguiram em alta e as ofertas subsequentes de ações (chamadas de follow-ons) explodiram e cresceram 1.500%.

Postado Agora

O poder do marketing personalizado

O marketing personalizado, também conhecido como marketing one-to-one, consiste em usar dados para entregar mensagens individualizadas a potenciais clientes. Mercado Livre, YouTube, Spotify, AliExpress, Netflix e Amazon são grandes exemplos de empresas que usam a personalização. Com base no que você comprou, ouviu ou assistiu, elas te dão outras recomendações, que têm a ver com o seu gosto.

Postado Agora

PIB Mundial está em seu pior nível em tempos

Segundo o ‘Global GDP Tracker’, um índice que mede o desempenho do da economia global, o PIB mundial está em seu pior nível desde a crise da dívida europeia (2011-2012). Os principais motivos apontados são queda no comécio internacional e economias desenvolvidas estagnadas.

Postado Agora

Google foi maior beneficiado com proteção de dados

A empresa parece ter aproveitado com sucesso a incerteza em torno das leis de proteção de dados europeia para solidificar ainda mais sua posição de liderança no mercado. Um estudo da Cliqz em parceria com a Ghostery mostra que os concorrentes de menor porte perderam entre 18% e 31% do seu alcance, enquanto o Google foi capaz de aumentar em mais de 1%.

As informações/opiniões aqui escritas são de cunho pessoal e não necessariamente refletem os posicionamentos do Folha Vitória

Pular para a barra de ferramentas