Abr 2020
6
Ricardo Frizera
MUNDO BUSINESS

porRicardo Frizera

Abr 2020
6
Ricardo Frizera
MUNDO BUSINESS

porRicardo Frizera

Com fundos preparados para qualquer cenário, Terni quer Giant como maior gestora do país

Para Flávio Terni, gestor da Giant Steps, achar boas oportunidades de investimentos hoje é como minerar em busca de ouro. “Antigamente, quando ouro era mais abundante, bastava peneirar areia do rio. Já hoje, precisamos de um aparato muito mais sofisticado, com máquinas modernas e processos químicos”. Flávio afirma que utilizar os mesmo métodos tradicionais de investimento é cada vez menos eficaz em encontrar boas oportunidades em renda fixa e renda variável.

Assim, a resposta foi utilizar fundos com processos quantitativos. Eles que utilizam a tecnologia para basear as tomadas de decisão. “Para nós, encontrar ouro é selecionar ativos que façam os fundos da casa superarem o benchmark [índice de comparação]. Cada dia mais é necessário aplicar a tecnologia e estatística aos processos de investimento. Em mercados mais desenvolvidos como os Estados Unidos, onde “encontrar ouro” é ainda mais difícil, 8 em cada 10 fundos de investimento são quantitativos”.

Terni descreve o gestor quantitativo como um “homem de ferro”. “Existem humanos na operação mas todos os nossos movimentos são com base em algoritmos que analisam milhões de dados e realizam milhares de operações todos os dias”, explica. Na prática, por exemplo, é como se um algoritmo identificasse uma chuva forte vindo em determinado estado dos Estados Unidos, o que afetaria a safra de milho e reduziria o preço. Assim, o algoritmo entende que a ordem é vender contratos de milho.

Essa decisão com base em análise de dados é tomada em milissegundos, tão rapidamente que é suficiente para os fundos se “anteciparem” ao mercado. Além da velocidade, outra vantagem desse tipo de fundo é que eles operam muitas “teses” diferentes. Esses dois fatores combinados fazem com que ele tenha retornos descorrelacionados (desconectados) da média do mercado de fundos e ações — o que consideramos uma vantagem.

Ele explica que nessa crise, o papel do algoritmo do Zarathustra foi olhar o períodos históricos em que houve situações similares– a base de dados é de 100 anos– e analisar como o mercado se comportou. Assim, o “robô” encontrou uma irracionalidade do mercado (quando os valores dos investimentos descolam de seus fundamentos) e passou a realizar operações com câmbio, juros, commodities e ações que tinham maior probabilidade de ganhar. E ganhou.

Enquanto o Zarathustra está preparado para ganhar em momentos de extrema irracionalidade, outro fundo da casa, o Sigma, está preparado para ganhar com análise de fundamentos, e operar dentro da racionalidade. Por isso, Terni avalia que os dois são complementares– fundo de previdência da Giant Steps foi construído com uma combinação de ambos.

E fique atento: os fundos da Giant estão agora abertos para uma captação limitada. Com oito anos de uma estratégia de sucesso, o objetivo da casa é se tornar a maior gestora de investimentos independente do Brasil.

Palavra do Especialista

Coronavírus: e agora, empresários?

Em meio a esta série de medidas restritivas devido à pandemia de coronavírus, é fato que as atividades econômicas serão impactadas. Assim, é inegável que encontramo-nos ante uma realidade com consequências jurídico-econômicas imprevisíveis, em especial no âmbito dos contratos e obrigações. Nesse contexto, é de se ressaltar a figura da “força maior”, que prevê a suspensão dos efeitos legais e econômicos em ocorrência de fatos imprevisíveis e alheios à vontade humana. Em outras palavras, nossa lei dispõe de mecanismos jurídicos que permitem a flexibilização às obrigações em circunstâncias extraordinárias. De fato, é difícil estimar o que vem por aí, mas é reconfortante saber que os mecanismos jurídicos apresentados servem como um valioso instrumento jurídico no restabelecimento do equilíbrio econômico. Ao final, a mensagem que fica, empresário, é que há luz no fim do túnel e que, com solidariedade, atenção aos cuidados sanitários e adoção de as medidas jurídicas adequadas, haverá vida após o coronavírus!

Postado Agora

Agência internacional rebaixa nota do Nubank

A avaliação do Nubank alterada para negativa pela S&P diante dos desafios para rentabilizar a entidade no atual cenário econômico

Postado Agora

Prejuízo crescente

A empresa teve prejuízo contábil de R$313 milhões, um aumento de 212% em relação ao registrado em 2018.

Postado Agora

Espírito Santo perde nota A

Ontem o Tesouro Nacional rebaixou o rating de crédito do Espírito Santo de A para C. O Governo do Estado pediu para dilatar o prazo de pagamento de uma dívida com a União.

As informações/opiniões aqui escritas são de cunho pessoal e não necessariamente refletem os posicionamentos do Folha Vitória

Pular para a barra de ferramentas