Abr 2021
28
Luiz Stanger
MUNDO IMOBILIÁRIO

porLuiz Stanger

Abr 2021
28
Luiz Stanger
MUNDO IMOBILIÁRIO

porLuiz Stanger

Vacina e ambiente político podem ajudar

Diante de novas cepas da Covid-19 e com avanço da pandemia, desde fevereiro houve decretação de novas medidas de distanciamento social e fechamentos. Isso provocou um cenário com maior incerteza, fazendo muitos lançamentos serem adiados.

Dessa forma, os principais motivadores para continuidade desse movimento de alta no mercado imobiliário são, em primeiro lugar, o avanço da vacinação em massa no território nacional. Hoje, a aplicação de vacinas no país já ultrapassa o número de 41 milhões de doses, fundamental para a contenção da pandemia, retomada da normalidade e da atividade econômica e produtiva. E, o principal: maior previsibilidade.

Em segundo lugar, houve sinalização positiva do legislativo quanto ao encaminhamento da proposta para reforma administrativa, que suaviza a trajetória da dívida quanto a gastos com funcionalismo público. Além disso, o maior alinhamento entre o legislativo e o executivo melhora as expectativas para a agenda de reformas que, após a administrativa, pode encaminhar a tributária.

Riscos para o desenvolvimento do mercado imobiliário

Mesmo com a percepção de cenário favorável, o setor começa a encarar a alta nos insumos neste primeiro trimestre de 2021. De acordo com o presidente da CBIC, José Carlos Martins, esse fenômeno pode provocar baixas no abastecimento e desestimular o aumento de lançamentos.

Esse fenômeno, relacionado à escalada no Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) e sua relação com o dólar, pode ameaçar o maior crescimento do mercado imobiliário.

Dizem que “antes de melhorar, as coisas pioram”. O Banco Central divulgou no Relatório de Mercado Focus, no último dia 23, e mostrou que a média para o IGP-M no agregado em 2021 é de 13,15%. Apesar de acima do observado historicamente, é inferior à alta acumulada de 23,14% no ano passado. O índice é composto de outros índices como preço ao produtor e ao consumidor, que foram impactados diretamente pela alta do dólar e disfunção da indústria com as paradas ao longo da pandemia.

Gosto sempre de frisar os pontos que nutrem o mercado imobiliário de forma saudável, sadia e sustentável: pleno emprego, renda e crédito. Esse ambiente torna-se próspero se envolto por um ambiente político que tenha real consciência da importância da responsabilidade fiscal, bem como do cumprimento dos contratos. Assim, deixa seus cidadãos livres para produzir e gerar riqueza por meio de trocas voluntárias.

Postado Agora

Locatário: Tesla

A Tesla, companhia de Elon Musk, alugou um imóvel industrial de quase 8 mil m² em Los Angeles. O valor total da locação é de 12 milhões de dólares.

Postado Agora

Lajes corporativas em Vitória

Uma multinacional alugou uma torre completa no bairro  Enseada do Suá, em Vitória. O empreendimento pode ser considerado triple A para os padrões capixabas e conta com infraestrutura que possibilita a modulação dos espaços de acordo com a necessidade do cliente.

Veja também

As informações/opiniões aqui escritas são de cunho pessoal e não necessariamente refletem os posicionamentos do Folha Vitória

Pular para a barra de ferramentas