• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

CNI: juro menor e controle da inflação devem melhorar competitividade brasileira

Economia

CNI: juro menor e controle da inflação devem melhorar competitividade brasileira

Brasília - A redução da taxa básica de juros e o controle da inflação devem ajudar o Brasil elevar sua competitividade. De acordo com o gerente executivo de Pesquisa e Competitividade da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca, a melhora das condições macroeconômicas já está em curso e pode colaborar para que o País recupere posições no ranking de competitividade divulgado pela entidade.

Na lista de 18 países avaliados pela CNI, o Brasil ficou na penúltima posição, à frente apenas da Argentina. Dos nove critérios que fazem parte do levantamento, a pior colocação foi no quesito "disponibilidade e custo de capital". "O Brasil é o país com a maior taxa de juros do mundo e o maior spread bancário. Precisamos trabalhar muito nesses fatores. Felizmente, vemos o início da solução disso, com o Banco Central (BC) começando a reduzir os juros", afirmou.

O diretor de Políticas e Estratégia da CNI, José Augusto, disse que a expectativa da entidade é que a Selic fique abaixo dos dois dígitos até o fim deste ano. "Podemos ter alguma mudança no ranking com os avanços na área fiscal, o combate à inflação e a taxa de juros em queda", disse. "O Brasil está absolutamente fora da curva na questão dos juros."

A melhor colocação do Brasil no ranking foi na educação, com o 9.º lugar dentre os 18 países. Segundo Fonseca, essa posição está relacionada aos gastos do governo com educação, que atingiram 6,4% do PIB. No entanto, esse volume de investimentos não se reflete na qualidade do ensino.

Fonseca explicou que, no programa internacional de avaliação de estudantes (PISA) de 2015, o País ficou com a 12.ª posição entre 14 países. "Há um problema de gestão. Precisamos fazer com que esse gasto gere resultados eficientes", afirmou.

Também chamou a atenção a posição do Brasil no subitem disponibilidade e custo de mão de obra, em que o Brasil ficou com o 11.º lugar. De acordo com Fonseca, embora a desvalorização do real frente ao dólar tenha tornado os salários mais baratos, a baixa produtividade do trabalhador brasileiro teve um peso maior nesse quesito. Na prática, isso significa que é preciso mais pessoas para cumprir um mesmo trabalho no Brasil do que em outros países.

Apesar das medidas de ajuste fiscal, Fonseca destacou que o governo pode adotar algumas políticas que auxiliem na competitividade sem aumentar gastos. Ele citou como exemplo ações que reduzam a burocracia e que melhorem a legislação e o ambiente de negócios na área de concessões públicas. "Isso traz investimento privado sem aumentar os gastos da União", disse.

Fonseca mencionou também a importância da assinatura de acordos internacionais que facilitem os negócios dos exportadores. "Precisamos exportar mais e produzir mais aqui dentro para gerarmos mais trabalho e mais renda", afirmou.

Augusto ressaltou ainda que a aprovação da reforma da Previdência teria impacto "extraordinário" para o País, com a melhoria da relação dívida/PIB no médio e longo prazo.