• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Que calor! Verão acelera vendas de ventilador na região Sudeste

Economia

Que calor! Verão acelera vendas de ventilador na região Sudeste

As vendas de produtos relacionados à climatização de ambientes cresceram 3,6% na primeira quinzena de janeiro, em relação a 2018

Foto: Divulgação / Pexel

O ano começou com vendas aceleradas para as lojas de varejo da região Sudeste que comercializam produtos relacionados à climatização de ambientes. 

Este fator está sustentando o ritmo de crescimento do comércio em janeiro, que apresentou aumento de 3,6% na primeira quinzena, em relação ao mesmo período de 2018, segundo a Associação Comercial de São Paulo. 

Desde novembro o desempenho do varejo vem ganhando força.  Primeiro foi com a Black Friday e, na sequência, o Natal, que teve um bom desempenho.

Na última quarta-feira, Vitória registrou 35,4 ºC, de acordo com o instituto Climatempo. A temperatura foi a mais elevada na capital desde o início de 2019.

As altas temperaturas registradas desde meados de dezembro foram responsáveis pelo aumento de 70% nas vendas de ventiladores da maior fabricante do produto no País nos últimos 30 dias. E foi o melhor desempenho de vendas da companhia para o período em três anos.

O aquecimento de vendas da indústria reflete o maior impulso de compras no varejo. Na terceira maior rede de móveis e eletrodomésticos do Brasil, os volumes comercializados de ventiladores e aparelhos de ar condicionado nos últimos 30 dias dobraram em relação à projeção inicial para o período. A empresa tinha se preparado para repetir os volumes do ano anterior.

Os itens de climatização também estão com alta demanda neste ano, tendência que deve ser ainda maior a partir de fevereiro. 

Demanda maior que o esperado

A corrida às lojas já provoca faltas pontuais de ventilador - mais barato, o item que acaba antes do aparelho de ar condicionado. Mas o abastecimento desses aparelhos também não está folgado. No início da semana, a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo encontrou em lojas visitadas a sinalização de que o aparelho de ar condicionado exposto era o último disponível no ponto de venda.

"Há uma disputa muito grande entre as redes varejistas para receber o produto no prazo", diz o supervisor geral de uma das lojas, José Domingos Alves. Ele explica que ainda não faltam ventiladores e aparelhos de ar condicionado nas mais de 250 lojas da rede. Mas, segundo ele, a produção não está dando conta da demanda. Do lado do varejo, ele admite que as lojas não tinham se preparado para um verão tão quente.

O presidente da Eletros, associação que reúne os fabricantes de eletroeletrônicos, José Jorge do Nascimento Jr, afirma que a indústria não esperava para este ano um verão tão favorável às vendas de ventiladores e aparelhos de ar condicionado.

"Tivemos que reduzir os dias parados na fábrica entre o Natal e o Ano Novo para fazer o inventário por causa do aumento da demanda", diz o sócio fundador da Mondial, Giovanni Marins Cardoso. A fábrica localizada em Conceição do Jacuípe, interior da Bahia, funciona 24 horas, todos os dias da semana, para atender à demanda.

Cardoso conta que funcionários que trabalhavam em outras linhas de produção da empresa foram realocados para o setor de ventilação. Na sua avaliação, os gargalos pontuais no abastecimento ocorrem por causa da logística do varejo para escoar os estoques dos centros de distribuição para as lojas. Mas, se o ritmo acelerado de consumo continuar nos próximos meses, os estoques do varejo serão consumidos rapidamente e poderão ocorrer problemas de abastecimento de fato, prevê.