Colégio Leonardo da Vinci é vendido pela segunda vez

Economia

Colégio Leonardo da Vinci é vendido pela segunda vez

A primeira venda da escola, uma das mais tradicionais do Espírito Santo, aconteceu em abril de 2018. A instituição foi vendida agora para o grupo Eleva, do empresário Jorge Paulo Lemann

Foto: Divulgação

Uma das mais tradicionais escolas do Espírito Santo, o Centro Educacional Leonardo da Vinci, localizado em Santa Lúcia, Vitória, foi vendido mais uma vez. A instituição está incluída entre os colégios do Grupo Cogna, que foi negociado com a Eleva Educação, que tem entre os acionistas o empresário Jorge Paulo Lemann, considerado pela Forbes o segundo homem mais rico do Brasil.

A informação foi confirmada pela Cogna, em um Fato Relevante divulgado nesta segunda-feira (22). Segundo o documento, o valor da transação, quase bilionária, que inclui o Leonardo da Vinci e mais 50 outras escolas, é de R$ 964 milhões. O valor será pago pelo Grupo Eleva à Vasta Plataform, que controla o Grupo Cogna. Em contrapartida, a Vasta pagará R$ 580 milhões pelo sistema de ensino da Editora Eleva. A troca de ativos ainda precisa ser aprovada pelo Cade.

Junto com a transação, a marca Plataforma de Ensino Eleva será licenciada para a Vasta até o final de 2023 e as empresas assinam acordo comercial de longo prazo, no qual a Vasta se tornará o parceiro exclusivo de sistema de ensino base de todas as escolas do Eleva (incluindo as escolas atuais, as escolas da Saber e as novas escolas que venham a ser abertas e/ou adquiridas) ao longo dos próximos dez anos.

O acordo prevê que a Saber Educação venderá suas 51 escolas de educação básica para o Eleva Educação. Dentre as escolas que fazem parte da transação, além do Centro Educacional Leonardo da Vinci, estão Colégio pH, Colégio Lato Sensu, Sigma, Anglo 21, Anglo Alphaville, CEI (Natal), Colégio Integrado, Escola Santi, Colégio Visão, Colégios Embraer, Colégio Pitágoras, Centro Integrado de Ensino (CIE), Colégio Maxi, NeoDNA, Escola Chave do Saber, Motivo, Colégio do Salvador.

As primeiras informações da transação foram divulgadas em janeiro deste ano. A notícia da negociação entre as duas gigantes da educação no país foi confirmada pela própria Cogna, também em um Fato Relevante divulgado no dia 7 de janeiro. Na ocasião, o documento informava que se encontrava em tratativas para "potencial transação envolvendo tanto a compra quanto a venda de determinados ativos educacionais entre a Eleva Educação S.A., de um lado, e subsidiárias diretas ou indiretas da Cogna, de outro lado".

Mesmo com a mudança de gestão, a assessoria do Colégio Leonardo da Vinci informou que não há previsão de mudanças na metodologia educacional da escola.

Venda em 2018

O Centro Educacional Leonardo da Vinci foi negociado em 2018 pela Kroton Educacional, holding dedicada exclusivamente ao mercado de educação básica. No ano seguinte, o nome foi modificado para Cogna. Na época, apesar da mudança, segundo José Antônio Gorza Pignaton, conselheiro do Centro Educacional, a linha pedagógica seguiria sem alterações, com horário integral, educação bilíngue, middle e high school.

A Cogna Educação é uma companhia brasileira e uma das principais organizações educacionais do mundo. Formada pelas instituições Kroton, Platos, Saber e Vasta Educação / Somos Educação, a holding oferece soluções e serviços tanto para o segmento B2B (Business to Business), que é o modelo 'empresa para empresa', como para o B2C (Business to Consumer), que consiste no modelo 'empresa para consumidor'.

Leia também: Negociação que envolve venda do Leonardo da Vinci é positiva para o mercado financeiro, avaliam especialistas