Levy é 'ministro-fusível': se tirar, desliga o sistema, diz Maílson da Nóbrega

Economia

Levy é 'ministro-fusível': se tirar, desliga o sistema, diz Maílson da Nóbrega

Redação Folha Vitória

São Paulo - O ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega disse na manhã desta segunda-feira, 30, que o atual chefe da pasta, Joaquim Levy, tem papel importante no ajuste da economia brasileira e que seu trabalho de austeridade fiscal é necessário para que o País não perca o grau de investimento. "Levy é um 'ministro-fusível': se tirar, desliga o sistema", disse, referindo-se às consequências de um eventual afastamento de Levy. Maílson participa neste momento do 3ª Conferência do Agronegócio do BESI Brasil, em São Paulo.

Conforme o ex-ministro, a recessão esperada para 2015 é a "conta dos erros" cometidos pelo primeiro governo da presidente Dilma Rousseff. O aumento do desemprego e a inflação acima do teto da meta fazem parte dessa "conta", que pode ficar ainda mais negativa com os desdobramentos da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, e com um eventual racionamento de energia, disse. Em razão disso, a "presidente Dilma está em processo de desgaste que parece irreversível", acrescentou o ex-ministro.

Maílson da Nóbrega citou, ainda, as projeções da Tendências, consultoria da qual é sócio, que apontam para retração de 1,2% no PIB do Brasil em 2015 e inflação de 7,9%. A taxa básica de juros (Selic) deve ficar em 13% e o desemprego deve variar de 6,3% a 7,6% neste ano, complementou. Por fim, destacou que o dólar deve fechar 2015 em R$ 3,10 e o balanço de pagamentos deve ficar negativo em US$ 90 bilhões.