Superávit de 1,2% do PIB é quase impossível após dados do Tesouro, diz economista

Economia

Superávit de 1,2% do PIB é quase impossível após dados do Tesouro, diz economista

Redação Folha Vitória

Ribeirão Preto - O economista e professor doutor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Geraldo Biasoto Júnior, afirmou nesta terça-feira, 31, que a meta de superávit primário das contas públicas brasileiras, de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015, se tornou "praticamente impossível" após o desempenho do Governo Central em fevereiro de 2015. Dados do Tesouro divulgados nesta terça-feira apontaram um déficit de R$ 7,357 bilhões no mês passado e um acumulado negativo de R$ 24,9 bilhões em 12 meses.

"Para chegarmos a esse porcentual (de 1,2% do PIB), ou um total de R$ 66 bilhões, o governo central teria de contribuir com R$ 55 bilhões de superávit", disse. "Ou seja, é praticamente impossível, pois o governo teria de tirar uma diferença de quase R$ 80 bilhões até o final do ano, em um cenário de queda de receita e aumento nos gastos, principalmente com a Previdência", completou.

A Previdência, aliás, foi o destaque negativo, segundo Biasoto, no resultado do governo central de fevereiro, com um crescimento nominal de 17,8% ante fevereiro de 2014, alta de 9,4% já descontado o IPCA. "Enquanto a receita da Previdência cresceu apenas R$ 1,6 bilhão, a despesa saltou R$ 5 bilhões. Isso explica quase metade do déficit total do governo central", disse Biasoto.

Para ele, "o drama" em 2015 é que a curva ascendente de aumento forte na receita da Previdência será revertida com o aumento do desemprego e a queda na renda. Enquanto isso, a curva também em alta das despesas seguirá crescendo. "As duas linhas divergirão com o mercado de trabalho ruim a renda recuando, o que vai ser um grande problema ao Tesouro".

Pontos moeda