Líder do PT critica idade mínima defendida por relator da Reforma da Previdência

Economia

Líder do PT critica idade mínima defendida por relator da Reforma da Previdência

Redação Folha Vitória

Brasília, 06 - O líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (SP), reagiu na tarde desta segunda-feira, 6, à defesa do relator da Reforma da Previdência, Arthur Maia (PPS-BA), sobre a idade mínima de 65 anos para aposentadoria. O petista disse que há regiões no País onde o trabalhador sequer atinge essa idade. "Como podemos admitir uma idade mínima tão alta para o padrão de idade média do brasileiro?", questionou o parlamentar.

Mais cedo, o relator disse que há base para aprovar a reforma na Câmara e apoiou a idade mínima sugerida pelo Executivo. "Não dá para pensar em não ter idade mínima de 65 anos de jeito nenhum", disse, ao deixar o Ministério da Fazenda, em Brasília, após reunião com o ministro Henrique Meirelles. O deputado do PT disse que a proposta de idade mínima não tem "pé nem cabeça".

Zarattini atacou a pressa do governo para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O petista afirmou que a proposta vai impedir que milhões de brasileiros se aposentem no futuro e vai reduzir o valor do benefício de quem conseguir se aposentar. "Acho um verdadeiro absurdo querer fazer essa discussão à toque de caixa e querer passar o rolo compressor", declarou.

O líder petista disse que haverá mobilização em várias cidades contra a proposta a partir de quarta-feira, 8, Dia Internacional da Mulher, uma vez que as mulheres, na visão do deputado, serão muito prejudicadas com a reforma.

O líder do DEM na Casa, Efraim Filho (PB), ressaltou que a proposta do governo sofrerá mudanças e que o Parlamento está disposto a ouvir opiniões. "O texto do governo é uma espinha dorsal, mas não pode ser imune a qualquer tipo de debate sobre pontos que podem ser aperfeiçoados", declarou. Efraim disse que a reunião do presidente Michel Temer com líderes da base aliada hoje visa discutir uma estratégia política para que "a mensagem correta" sobre a Reforma da Previdência chegue a sociedade.

Zarattini também criticou a tentativa do governo de aprovar medidas na área econômica com a mesma pressa e declarou oposição à inclusão na pauta do projeto de lei sobre terceirização, apresentado em 1998. Zarattini disse que a oposição vai obstruir a matéria. "Esse projeto é muito antigo e o governo quer passar esse projeto à toque de caixa também", disse.