• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

CNI projeta contração de 1,2% para PIB do País em 2015

Economia

CNI projeta contração de 1,2% para PIB do País em 2015

Brasília - A Confederação Nacional da Indústria (CNI) projeta uma retração do Produto Interno Bruto (PIB) do País em 1,2% neste ano. A projeção foi apresentada no Informe Conjuntural da CNI, divulgado nesta terça-feira, 14. A previsão para o PIB industrial para 2015 é de recuo em 3,4%, dado mais pessimista que o divulgado em dezembro, quando era esperada uma retração de 1% neste ano.

De acordo com a confederação, o quadro econômico desacelerado levou à revisão da previsão de desempenho da economia. "Embora necessário, o ajuste econômico que começa a ser implantado pelo governo vai agravar o quadro no curto prazo, em função da redução do gasto público, aumento da tributação, aperto monetário e reajuste de tarifas", avalia a entidade, ressaltando que a demora para iniciar o ajuste tornou seu custo muito maior.

Na avaliação por setores, a agropecuária será o único segmento que deve registrar alta no ano, de 0,5%. O setor de serviços deve cair 0,4%. A última vez que foi registrada retração na área, segundo a CNI, foi há 20 anos.

A inflação acumulada para 2015, na previsão da CNI, deve ficar em 8,1%, mais alta do que a previsão para o ano feita em dezembro, quando se esperava uma elevação de 6,2% nos preços. Segundo a CNI, o ajuste de preços administrados, além da desvalorização do real, vai contribuir para o cenário.

O resultado da balança comercial, segundo a entidade, deve ficar positivo em US$ 1 bilhão. A CNI espera ainda uma taxa média de câmbio para o ano com o dólar no patamar de R$ 3,10. Com relação à taxa nominal de juros, é esperado um índice de 13,50% no final do ano, ou uma média de 13,12% ao longo de 2015.

A CNI prevê ainda uma retração de 6,2% nos investimentos. Em dezembro, a previsão para a Formação Bruta de Capital Fixo em 2015 estava em 0%. "O ambiente de incertezas e questões relacionadas às investigações de corrupção inibirão o investimento em 2015", avalia o documento.