Levy lamenta atraso na reforma do FMI

Economia

Levy lamenta atraso na reforma do FMI

Redação Folha Vitória

Washington - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tratará da nova política econômica brasileira, da reforma de cotas do Fundo Monetário Internacional (FMI), das perspectivas da economia global e dos riscos associados à esperada elevação dos juros americanos na declaração preparada para a reunião de hoje do Comitê Internacional Monetário e Financeiro (IMFC).

O comitê, o órgão político mais importante do Fundo, é formado por 24 ministros, representa os 188 países membros e formula a cada semestre as linhas gerais de trabalho da instituição. O ministro brasileiro fala em nome do Brasil e de mais dez países agrupados num conjunto de cotas e votos.

Como outros ministros, Levy reclamará do atraso da reforma de cotas e votos decidida no FMI em 2010 e ainda emperrado no Congresso dos Estados Unidos. Essa reforma deveria ter entrado em vigor em 2014, mas o Executivo americano continua incapaz de resolver o impasse com os parlamentares.

Sem a nova redistribuição de cotas e de poder de votos, o Fundo poderá ter problemas de financiamento. Vários emergentes, incluído o Brasil, reforçaram a capacidade de ação do Fundo nos últimos anos, comprometendo-se a participar do Novo Arranjo para Empréstimos. A participação é voluntária e vários governos condicionaram a adesão ao avanço do programa de reformas. Sem detalhes, a declaração de Levy lembra o risco, para o Fundo, de perder recursos se o impasse continuar sem solução.

Saída

Desde o ano passado se discute uma solução provisória para o impasse, uma forma de contornar o problema criado pelo Congresso americano. O assunto foi examinado ontem numa reunião entre ministros do Grupo dos 20 (G-20), formado pelas maiores economias desenvolvidas e emergentes, e o novo presidente do IMFC, o mexicano Agustin Carsten. A solução provisória deverá ser aplicada se o projeto de reforma, em junho, ainda estiver emperrado no Congresso americano.

Duas saídas têm sido examinadas. O governo brasileiro prefere desligar a solução provisória das cotas da proposta de reforma da governança do FMI e essa posição foi incluída na declaração preparada para a reunião de hoje. O governo prefere retomar integralmente, quando chegar a ocasião, o projeto de nova governança discutido em 2010.

Levy apresenta sumariamente o programa de ajuste recém-iniciado no Brasil e menciona a necessidade de medidas em outras áreas para tornar a economia mais eficiente e reforçar o potencial de crescimento.

A maior parte das referências à economia global é descritiva, mas a mensagem é de preocupação quando se trata do esperado aperto da política monetária americana, apontada como provável fonte de instabilidade financeira e de movimentos especulativos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.