• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Austrália prevê preço do minério de ferro em média em US$ 45 a tonelada em 2016

Economia

Austrália prevê preço do minério de ferro em média em US$ 45 a tonelada em 2016

São Paulo - O governo da Austrália elevou sua projeção para o preço médio do minério de ferro em 2016, para US$ 45 a tonelada. Em seu relatório de dezembro, a expectativa era de US$ 41,30 a tonelada para o ano atual. Mesmo com esse aumento, porém, a projeção ainda significa que o minério de ferro deve ter tendência de baixa até o fim do ano, diante de um quadro de excesso de oferta global e menor demanda do setor siderúrgico da China.

O relatório trimestral do Departamento de Indústria, Inovação e Ciência sobre as commodities, divulgado nesta sexta-feira, lembra que o preço médio do minério de ferro ficou em US$ 36 a tonelada no trimestre até 2015, no patamar mais baixo desde 2006. No início de 2016 os preços chegaram a reagir para US$ 61 a tonelada, mas deve haver desaceleração até o fim do ano.

O quadro significa que pode ocorrer o fechamento de instalações com alto custo, diante de perdas financeiras das companhias do setor. "Nos preços atuais, uma série de produtores de alto custo - a maioria de fora da Austrália - está tendo prejuízo em cada tonelada de minério de ferro produzida", diz o relatório. O fechamento de algumas minas deve dar algum apoio aos preços, porém há novas instalações de baixo custo sendo desenvolvidas, "particularmente na Austrália e no Brasil", o que deve limitar qualquer avanço nos preços. "Se a capacidade de alto custo demorar mais que o antecipado para ser fechada ou se os custos de minas novas ou existentes puderem ser reduzidos mais, os preços podem ficar mais baixos por mais tempo", aponta o documento.

Hoje, o preço do minério de ferro caiu 0,9% no mercado à vista chinês, para US$ 53,3 a tonelada, segundo The Steel Index. O valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62%, negociado no porto de Tianjin, na China.