• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Chocolates da Páscoa sofrem alta de até 200% nos últimos 8 anos na Grande Vitória

Economia

Chocolates da Páscoa sofrem alta de até 200% nos últimos 8 anos na Grande Vitória

A pesquisa foi realizada entre os dias 01 e 05 e abril de 2017 por alunos do curso de administração e pesquisadores do projeto "Vigilantes dos Preços"

Em abril de 2009, o produto era encontrado com preço médio em torno de R$ 3,19 Foto: Reprodução

O preço de chocolates de Páscoa na Grande Vitória sofreu uma alta de quase 200% nos últimos anos. Mesmo com a indústria de chocolates segurando os preços em função da readequação da oferta, em 2017 o aumento médio foi de 6% na Grande Vitória em relação ao ano passado. No entanto, a alta acumulada nos últimas 8 anos chegou a 199,2%, como foi constatado em um item. Em abril de 2009, o produto era encontrado com preço médio em torno de R$ 3,19 e em abril deste ano, o mesmo produto está custando em média R$ 9,56 a unidade.  

A pesquisa foi realizada entre os dias 01 e 05 e abril de 2017 por alunos do curso de administração e pesquisadores do projeto "Vigilantes dos Preços" da Empresa Júnior da Faculdade Doctum de Vitória (EJFV),sob a coordenação do Prof. Paulo Cezar Ribeiro Silva. Na média, os chocolates de Páscoa na Grande Vitória subiram em torno de 111,1% nos últimos 8 anos. Os ovos de páscoa subiram um pouco menos, 110,6% em média, enquanto os bombons tiveram alta de preço em torno de 114%.

Para facilitar a análise comparativa entre os dois períodos (abr/2017 e abr/2009), os preços foram convertidos para o mesmo padrão (100 gramas). Alta nos custos de produção (transporte, energia elétrica, combustível, mão de obra, impostos, taxa de câmbio oscilante e custos de insumos) e incertezas na economia do país foram alguns dos motivos desse indicador de alta dos preços nos chocolates nos últimos 8 anos.

Entre os estabelecimentos da amostra da pesquisa, os preços dos produtos pesquisados tiveram variações de até 49,5%. É o caso de uma caixa de bombom . Em determinado estabelecimento o produto foi encontrado por R$ 8,68 a caixa, enquanto em outro supermercado o mesmo produto sairia por R$ 12,98. Entre os ovos de chocolates pesquisados, a maior variação de preço foi constatada no ovo Lacta Sonho de Valsa de 270 gramas, ou seja, o preço máximo encontrado foi de R$ 38,99 e o preço mínimo pesquisado foi de R$ 26,30.

Desse modo, a pesquisa de preços nos estabelecimentos comerciais ainda é a melhor alternativa para quem não quer abrir mão dos chocolates nesta data. Cabe ressaltar considerando a hipótese de comparação entre os preços de bombons populares e ovos de chocolate, através um padrão de 100 gramas, percebe-se com clareza a variação de preço e a larga vantagem dos bombons populares sobre os ovos de chocolates.

Enquanto a cotação média de 100 gramas de bombom apurada foi entre R$ 3,01 e R$ 4,12, o preço médio de 100 gramas de chocolate de ovo de páscoa ficaria entre R$ 9,97 e R$ 26,57. Assim, considerando essa proporção, o ovo de chocolate pode sair por quase 9 vezes mais caro se comparado ao preço do bombom popular. Neste caso, a comparação feita foi entre o ovo Ferrero Rocher de 225 gramas (R$ 26,57 cada 100g) e a caixa de bombom de 300 gramas (R$ 3,01 cada 100 g).

Foram pesquisados cinco estabelecimentos comerciais de varejo da Região Metropolitana da Grande Vitória que comercializam chocolates de páscoa. No entanto, vários supermercados foram excluídos da amostra por apresentarem poucas opções de compra para o consumidor, pois apenas ofereciam caixas de bombons. A cesta pesquisada é formada por 18 itens englobando diversos tipos de chocolates, como ovos, coelhos e bombons.

Devido a grande variedade de opções encontradas, a metodologia utilizada na pesquisa foi optar pela coleta de preços referentes às marcas mais tradicionais no mercado de chocolates, obedecendo a especificação proposta. Cabe ressaltar que em 2017 muitos ovos de chocolate estão sendo comercializados com peso menor (até 375g) em relação aos anos anteriores, ou seja, um artifício para atenuar a alta de preços em função da crise econômica.