Comerciantes da Grande Vitória comemoram aumento nas vendas nos primeiros dias após reabertura

Economia

Comerciantes da Grande Vitória comemoram aumento nas vendas nos primeiros dias após reabertura

Além disso, proprietários dos estabelecimentos apostam nas redes sociais para reduzir o impacto negativo no faturamento durante os dias de fechamento

Foto: TV Vitória

Depois de quase 20 dias sem poderem abrir as portas e dependendo apenas das vendas por delivery, os estabelecimentos comerciais considerados não essenciais voltaram a funcionar na última quarta-feira (7), ainda que em horário reduzido, nos municípios capixabas classificados no risco extremo para a covid-19. Mesmo assim, muitos comerciantes da Grande Vitória afirmam ter percebido uma diferença significativa no faturamento, em comparação com os dias em que tiveram de ficar com as portas fechadas.

Foi o caso da empresária Paola David, que trabalha com comércio e serviços em estética. Além de funcionar como salão de beleza, a loja, localizada em Vitória, vende cosméticos, mega hair e perucas. Depois de quase três semanas com vendas por delivery, e o salão completamente fechado, o atendimento presencial voltou na quarta-feira. A agenda do salão está lotada, e as vendas, segundo ela, triplicaram.

"Sem dúvida a loja aberta é fundamental para a nossa empresa se sustentar. Conseguimos atender os clientes que estavam querendo agendar, a nossa agenda está cheia. Nós não estamos atendendo com a capacidade 100%, para respeitar esse espaçamento que é exigido. Estamos trabalhando com 50% da nossa capacidade no salão", afirmou.

Leia também: Comerciantes voltam a trabalhar após 20 dias no ES, mas lamentam prejuízo causado por fechamento

Já a empresária Tatiane Lauer, proprietária de uma loja de roupas e acessórios em Cariacica, conta que o delivery foi essencial para que ela conseguisse atravessar todos esses dias de portas fechadas. Nesse período, ela manteve 40% do faturamento e, desde quarta-feira, quando reabriu, as vendas surpreenderam positivamente.

"Eu comecei a vender o que eu estava vendendo antes da pandemia. Então para mim foi maravilhoso, graças a Deus. E hoje já chegou mercadoria, então ajudou muito", comemorou.

Quanto à falta de transporte coletivo, Paola disse que resolveu o problema dando carona para o pessoal que trabalha com ela. Já na loja da Tatiane, como as duas funcionárias moram perto, elas estão vindo à pé para o trabalho.

Redes sociais

Por enquanto, o atendimento presencial está restrito a três dias da semana. O comércio de rua, centros comerciais e galerias das cidades do Espírito Santo classificadas no risco extremo para a covid-19 estão autorizados a funcionar somente às quartas, quintas e sextas-feiras, das 10 às 18 horas.

Nessa situação, as empresárias apostam nas redes sociais para reduzir o impacto negativo nos dias fechados. É assim, com adaptação e criatividade, que o comércio capixaba segue vivo na pandemia.

"Vamos voltar com o delivery, tentar impulsionar mais nossas redes sociais, que é nesse momento que ela tem ajudado bastante também", disse Paola.

"Foi o que mais me ajudou. Eu tiro foto, posto e aí consigo fazer a venda. Hoje a internet está aí e está ajudando muito os comerciantes", ressaltou Tatiane.

Com informações do repórter Alex Pandini, da TV Vitória/Record TV