• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

China deve participar também de acordo em 11 projetos de parques eólicos

Economia

China deve participar também de acordo em 11 projetos de parques eólicos

Brasília - Deve ser assinado nesta terça-feira, 19, no Palácio do Planalto, um acordo de conclusão de transferência de ações da EDPR (Brasil) para o Grupo de Três Gargantas sobre projeto de energia eólica de 321MW. De acordo com documento obtido com exclusividade pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o acordo inclui 11 projetos de parques eólicos, concluídos ou em construção, localizados nas regiões Sudeste e Nordeste do Brasil.

Dona da maior hidrelétrica do mundo, o grupo China Three Gorges reafirmou hoje seu interesse em construir a hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, usina estimada em mais de R$ 30 bilhões que o governo quer erguer na Amazônia.

Durante a Cúpula Empresarial Brasil-China, evento que reúne empresários chineses e representantes do governo no Palácio do Itamaraty, Zhu Guangchao, executivo que representa a China Three Gorges, lembrou que a companhia já assinou um "acordo de cooperação estratégica" no ano passado com a estatal Furnas, para construir a hidrelétrica na região de Itaituba, no Pará.

"Queremos muito participar desse projeto no Brasil. É um projeto de longo prazo, de profundo interesse para nós", disse Zhu.

Com 8.040 megawatts de potência planejada, São Luiz do Tapajós é o maior projeto hidrelétrico do governo. O empreendimento enfrenta forte resistência ambiental, por conta de seus impactos a uma região completamente protegida da Amazônia. Outro obstáculo é o impacto em terras indígenas localizadas na região prevista para a usina. Depois de dois anos de tentativas, o governo ainda não conseguiu comprovar a viabilidade ambiental do projeto.

O grupo chinês é dono da usina de Três Gargantas, parque de 22.500 megawatts de potência localizado no Rio Yang Tsé, na China.

Atualmente, o principal nome da investida chinesa no setor elétrico brasileiro é a State Grid, estatal que já venceu o leilão de uma das linhas de Belo Monte e que se prepara para disputar mais um polo de transmissão da hidrelétrica. O primeiro empreendimento prevê investimento de R$ 5 bilhões. O segundo pode ultrapassar R$ 7 bilhões. A State Grid também é responsável pela linha de transmissão de usinas do complexo Tele Pires, no Mato Grosso.

O texto do acordo era dado como negociado pelas autoridades brasileiras ontem à noite, mas ainda não foi oficializado. O acordo faz parte de uma série de atos que serão assinados durante a viagem de Li Keqiang, primeiro ministro da China, e mais 150 empresários ao Brasil.