Produção industrial de bens de capital recua 4,4% em março, divulga IBGE

Economia

Produção industrial de bens de capital recua 4,4% em março, divulga IBGE

Redação Folha Vitória

Rio - A produção da indústria de bens de capital caiu 4,4% em março ante fevereiro, enquanto na comparação com março de 2014 o indicador mostrou queda de 12,4%. Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física (PIM-PF), divulgada nesta quarta-feira, 6, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No acumulado do primeiro trimestre deste ano, houve queda de 18,0% na produção de bens de capital em relação a igual período do ano passado. Já no acumulado em 12 meses até março, o recuo é de 13,8%.

Em relação aos bens de consumo, a pesquisa registrou redução de 1,1% na produção na passagem de fevereiro para março. Já na comparação com março do ano passado, houve recuo de 4,0%. No acumulado do ano, a queda é de 8,4%, enquanto a taxa em 12 meses é de -5,0%.

Na categoria de bens de consumo duráveis, o mês de março exibiu redução de 3,1% na produção ante fevereiro e queda de 6,6% em relação a igual período de 2014. Entre os semiduráveis e os não duráveis, a produção caiu 0,3% em março ante fevereiro e recuou 3,1% na comparação com março do ano passado.

No caso dos bens intermediários, o IBGE informou que a produção diminuiu 0,2% em março ante fevereiro. Em relação a março de 2013, essa atividade caiu 2,1%. No acumulado do ano, o instituto observou queda de 2,8% na produção, enquanto a taxa em 12 meses ficou em -3,2%.

Revisão

O IBGE revisou o desempenho da produção industrial em fevereiro ante janeiro. A queda na atividade foi de 1,3%, mais do que o recuo de 0,9% apurado na leitura inicial.

A mudança está relacionada a uma piora no índice de bens de capital e de bens de consumo. A produção de bens de capital em fevereiro ante janeiro foi revisada de -4,1% para -4,4%. Nos bens de consumo duráveis, a queda no período foi de 1,9%, acima do verificado na leitura inicial (-0,4%). Já nos bens de consumo semi e não duráveis, a queda de 0,5% passou para recuo de 1,0% no período.