Opep diz que teto para produção pode vir no futuro, mas não agora

Economia

Opep diz que teto para produção pode vir no futuro, mas não agora

Redação Folha Vitória

Viena - O novo secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o nigeriano Mohammed Barkindo, afirmou que o grupo pode vir a adotar um teto de produção da commodity no futuro, "mas agora estamos confortáveis" sem essa medida. A autoridade falou após o fim da reunião desta quinta-feira da Opep, que terminou sem nenhuma decisão para conter a produção.

O comunicado oficial da Opep afirmou que o grupo monitorará o mercado de petróleo e deve se reunir novamente em 30 de novembro em Viena. Até lá, o cartel disse que monitorará o mercado.

O ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, afirmou que o mercado é que decidirá o preço do petróleo, rechaçando a ideia de se impor uma cota na produção. Segundo ele, os mercados de petróleo já estão melhorando.

O ministro do Petróleo do Irã, Bijan Zanganeh, disse após a reunião que ainda é cedo para a Opep decidir sobre cotas. Teerã tem resistido a dar esse passo, no momento em que eleva suas exportações da commodity após se livrar de sanções internacionais. "A atual situação do mercado de petróleo é boa", avaliou Zanganeh. Ainda segundo ele, não há sinais de que outros membros da Opep estejam planejando impulsionar a produção.

O ministro do Petróleo do Catar, Mohammed al-Sada, também mostrou visão similar após a reunião, ao dizer que, com a alta recente nos preços, não há pressão sobre a Opep para influenciar o mercado. "O pior já passou para o petróleo", disse o ministro em entrevista coletiva após a reunião.

Nesta quinta-feira, o grupo concordou em permitir a volta do Gabão, duas semanas após o país do oeste africano ter deixado o cartel. Com uma produção de 240 mil barris por dia, o Gabão será o menor entre os agora 14 integrantes da Opep. Fonte: Dow Jones Newswires.