ANTT receberá propostas para ferrovia Rio-Vitória até o dia 31

Economia

ANTT receberá propostas para ferrovia Rio-Vitória até o dia 31

Sugestões e contribuições são analisadas pela ANTT e serão consolidadas em relatório que ainda será publicado. Paralelamente, está sendo desenvolvido o modelo para exploração da ferrovia

Ferrovia facilitará o escoamento de produção no país Foto: Divulgação

Os interessados em apresentar sugestões para a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para aprimorar os estudos técnicos da ferrovia que ligará os estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo terão até a próxima sexta-feira (31) para cadastrar suas contribuições. A última audiência pública presencial foi realizada nesta terça-feira (28), em Brasília.

Para apresentar contribuição técnica, o interessado deverá preencher um formulário eletrônico que está disponível no site PIL Ferrovias. Poderá enviar para o e-mail [email protected]  Outra forma de opinar é enviando correspondência para o endereço Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas (Sufer) - SCES Trecho 3, Polo 8, Lote 10, Projeto Orla, Bloco A - 1° andar, Brasília-DF.

As sugestões e contribuições são analisadas pela ANTT e serão consolidadas em relatório a ser publicado no site PIL Ferrovias. Paralelamente, está sendo desenvolvido o modelo econômico-financeiro para exploração da ferrovia.

As audiências públicas têm o objetivo de colher contribuições para o aprimoramento dos estudos técnicos da ferrovia que ligará os estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Esse projeto faz parte da segunda etapa do Programa de Investimentos em Logística (PIL) do governo federal.

A ferrovia Rio-Vitória é considerada estratégica para a economia do país e tem como objetivo principal proporcionar acesso direto ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), ao Complexo Industrial do Porto do Açu (RJ) e ao Complexo Logístico do Porto Central (ES). A via terá cerca de 580 quilômetros e custo estimado de R$ 7,8 bilhões.

Os estudos objetivam reduzir os riscos de engenharia, o menor tempo de construção e a minimização dos custos de desapropriação e dos impactos socioambientais. Dessa forma, o traçado desviou-se das principais áreas urbanas, como Rio Bonito, Macaé e Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, e Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo. Foram contornadas também as reservas biológicas de Poços das Antas e União. Para não impactar as comunidades lindeiras, estão previstas passagens inferiores e viadutos.

Nas reuniões presenciais da audiência, realizadas nas cidades de Vitória (ES), Rio de Janeiro (RJ), Campos dos Goytacazes (RJ) e Brasília (DF), houve a participação total de 834 pessoas, que apresentaram 53 manifestações orais e 24 por escrito. Os eventos contaram com a presença do ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues; dos governadores dos estados do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e do Espirito Santo, Paulo Hartung; além de secretários de estado, prefeitos, senadores e deputados.