• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Cidades do Espírito Santo registram queda recorde de receita

Economia

Cidades do Espírito Santo registram queda recorde de receita

Todos os municípios do Espírito Santo apresentaram queda de receita em 2015, mas a maior perda, em termos absolutos, foi registrada na capital Vitória

Enseada do Suá, bairrod e Vitória Foto: Divulgação

As cidades do Espírito Santo registraram queda recorde em suas receitas em 2015. As administrações movimentaram R$ 10,26 bilhões, ou seja, R$ 1,23 bilhão (10,7%) a menos do que em 2014. As despesas das prefeituras também foram reduzidas, em 4,3%, totalizando R$ 10,29 bilhões, com valores corrigidos pela inflação. O levantamento foi realizado pelo anuário Finanças dos Municípios Capixabas, da Aequus Consultoria.

Todos os municípios do Espírito Santo apresentaram queda de receita em 2015, mas a maior perda, em termos absolutos, foi registrada em Vitória, de R$ 198,6 milhões, já que sua receita saiu de R$ 1,66 bilhão, em 2014, para R$ 1,46 bilhão, em 2015. 

Perdas acima de R$ 50 milhões foram registradas também em Serra (R$ -112,1 milhões), Vila Velha (R$ -64,4 milhões), Linhares (R$ -62,4 milhões), São Mateus (R$ -61,4 milhões), Anchieta (-R$ 56,1 milhões) e Cariacica (R$ -51,9 milhões).

Em termos proporcionais, as maiores quedas foram observadas em Alto Rio Novo (-30,7%), Laranja da Terra (-25,1%), Bom Jesus do Norte (-22,4%) e São Roque do Canaã (-21,6%).

A economista e editora da publicação, Tânia Villela, explicou que os municípios sofreram quedas em suas receitas nas crises econômicas de 2003 e 2009, porém conseguiram uma rápida recuperação nos anos seguintes. “Estamos observando que, na atual situação, não há ainda uma retomada. Se 2015 foi um ano difícil, pelos dados recentes podemos dizer que 2016 está tão ou mais complicado para as finanças municipais”, ressaltou.

Esse cenário negativo, segundo explicou a economista, se deve ao reflexo da crise econômica e política vivida no país, afetando diretamente a arrecadação própria das prefeituras, como no caso do Imposto sobre Serviços (ISS), e nas transferências dos outros níveis de governo.

O anuário aponta ainda que, diante da queda das receitas, em 2015, os municípios capixabas cortaram suas despesas em 4,3%, o que correspondeu a R$ 467,7 milhões. Do total da despesa, 49,8% foram direcionados para o item de pessoal, 37,8% para os demais custeios, 10,7% para investimentos e 1,6% para o pagamento de juros, encargos e amortizações da dívida.