Gás de cozinha pode chegar a R$ 65 a partir desta quinta-feira no ES

Economia

Gás de cozinha pode chegar a R$ 65 a partir desta quinta-feira no ES

A botija de 13 quilos, que atualmente é vendida na Grande Vitória entre R$48 e R$ 55, pode chegar a R$ 65 com o reajuste de aproximadamente 15% sobre o valor final

A botija residencial pode chegar a custar R$65 na Grande Vitória Foto: Divulgação

Revendedores de todo o Espírito Santo já foram comunicados pelas Engarrafadoras do Gás Liquefeito sobre o aumento no preço do botijão a partir de 1º de setembro.  A botija de 13 quilos, que atualmente é vendida na Grande Vitória entre R$ 48 e R$ 55, pode chegar a R$ 65 com o reajuste de aproximadamente 15% sobre o seu valor final. A decisão é válida para todo o país.

De acordo com o primeiro secretário do Sindicato do Comércio Varejista de Gás Liquefeito de Petróleo do Estado do Espírito Santo (Sinregás), Cleber dos Santos, o aumento se refere a ajustes de custos operacionais bem como aos dissídios coletivos que ocorrem regularmente no mês de setembro.  Além disso, o Espírito Santo é uma das poucas federações que cobram 17% de ICMS retido na fonte, e que esse valor acaba impactando no preço final do produto.

Cleber dos Santos esclarece que este não é um aumento do governo, mas um reajuste das engarrafadoras do Gás Liquefeito de Petróleo. “Considerando que um gás residencial dura entre 35 a 45 dias, o preço médio diário ficaria em torno de R$ 1,60 por dia. Sendo assim, esse é o custo diário para realizar todas as refeições de uma família de cinco pessoas. Considerando o impacto econômico, o gás de cozinha é a energia mais barata”, afirmou.

Como cada revenda tem um custo operacional especifico, a associação orienta a todos que refaçam sua análise do impacto deste aumento e de seus custos, repassando o mínimo possível ao consumidor final.

Proprietária de revenda de gás em Vitória, João Gabriel prevê que o preço do gás de cozinha fique entre 12% a 15% mais caro para o consumidor a partir da próxima segunda-feira (5). Além disso, alerta que o preço final só não será maior devido a preocupação dos empresários do setor em não repassar todos os custos para o consumidor final em meio a crise econômica que assola o país.

Segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP), desde 2002 vigora a lei que dá liberdade de preços em toda a cadeia de produção, distribuição e revenda de combustíveis e derivados de petróleo. Assim, não há qualquer tipo de tabelamento de preços, nem fixação de valores máximos e mínimos ou exigência de autorização oficial prévia para reajustes de preços dos combustíveis em qualquer etapa da comercialização.

Confira dicas para reduzir o desperdício do gás na cozinha:

1) O forno é o que mais consome gás

2) Diminua a chama quando o forno chegar à temperatura desejada e mantenha as panelas tampadas durante o cozimento dos alimentos

3) Use o botijão até o final e jamais deite-o

4) Ao trocar o botijão, observe se o lacre está fixado, e a válvula, bem fechada. Cheiro de gás indica vazamento

5) A chama deve ser sempre azul. Se estiver amarela, é porque está havendo desperdício, pois o gás não está gerando o máximo de calor que pode

6) Se o fundo da panela está preto, é porque o gás não está tendo sua performance ideal. Este preto é carbono que poderia estar gerando calor para cozinhar

7) Concentre o horário que for utilizar o fogão. Tente fazer todos os pratos da mesma refeição juntos. Isso torna o consumo mais eficiente