• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Porcentual de famílias com dívidas sobe pela primeira vez no ano em julho

Economia

Porcentual de famílias com dívidas sobe pela primeira vez no ano em julho

Quase um terço dos brasileiros tem dívidas para mais de um ano e 20,5% têm mais da metade da renda comprometida com esses pagamentos

De acordo com a CNC, os indicadores de endividamento estão abaixo do observado no mesmo período do ano passado (Foto/reprodução)

Em julho, o porcentual de famílias com dívidas subiu pela primeira vez no ano, alcançando 59,6% ante os 58,6% registrados em junho. Já os que se declaram muito endividados são 13,2%, uma pequena alta em relação aos 13% de junho. Quase um terço dos brasileiros tem dívidas para mais de um ano e 20,5% têm mais da metade da renda comprometida com esses pagamentos.

Os dados estão na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). De acordo com a CNC, os indicadores de endividamento estão abaixo do observado no mesmo período do ano passado, quando 60,2% das famílias estavam endividadas e 14,6% informavam estar muito comprometidas. Na prática, porém, a evolução do indicador mostra que seis em cada dez famílias continuam com dívidas.

"Apesar do aumento pontual, o indicador permaneceu em patamar inferior ao do ano passado, refletindo ritmo menor de recuperação do consumo das famílias e maior cautela na contratação de novos empréstimos e financiamentos", diz a economista da CNC Marianne Hanson.

De acordo com a CNC, o menor nível de endividamento e a redução dos juros ajudaram a reduzir os indicadores de inadimplência em relação ao ano passado. No levantamento de julho, o porcentual de famílias com contas em atraso - 23,7% - se manteve estável em relação ao mês anterior. Foi menor, porém, que o verificado em julho de 2017. Na época, 25,5% estavam inadimplentes.

Entre as famílias pesquisadas, 9,4% declararam não ter condições de pagar as contas. É quase a mesmo taxa de junho do ano passado e menos do que os 9,9% que informaram que permaneceriam inadimplentes em julho de 2017.

Os compromissos com cartão de crédito ainda correspondem à maior parte das dívidas das famílias - 77%. O peso é ainda maior para as famílias de renda até dez salários mínimos. Segundo o levantamento, 78,3% dessas famílias estão comprometidas com cartão de crédito ante 75,1% das famílias com renda superior a dez salários mínimos.