IBGE: Quase metade das famílias capixabas receberam algum auxílio do governo em agosto

CORONAVÍRUS

Economia

IBGE: Quase metade das famílias capixabas receberam algum auxílio do governo em agosto

Ao todo, 627 mil domicílios foram beneficiados, segundo a Pnad Covid-19 mensal, divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE

Foto: Agência Brasil

Cerca de 627 mil famílias no Espírito Santo foram beneficiadas, em agosto, com algum tipo de auxílio financeiro concedido pelo governo federal, relacionado à pandemia do novo coronavírus. O número corresponde a 45,3% dos domicílios do estado.

A constatação é da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Covid-19) mensal, divulgada nesta quarta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre os benefício recebidos, estão o Auxílio Emergencial e a complementação do governo pelo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. O valor médio desses auxílios foi de R$ 823.

O número de famílias que receberam os benefícios relacionados à pandemia no mês passado é maior do que o registrado em julho, quando 607 mil domicílios capixabas foram contemplados com a ajuda financeira — o que corresponde a 44,4% do total. 

Empréstimo

A Pnad Covid-19 constatou ainda que, do total de 1,384 milhão de domicílios no Espírito Santo, em cerca de 76 mil (5,5%) pelo menos um morador solicitou empréstimo. 

Em 79,6% dos domicílios onde houve tal solicitação, o pedido foi atendido. A maior fonte de empréstimo, segundo o IBGE, foram os bancos e outras instituições financeiras (78,6%), seguida pelos amigos ou parentes (19,2%).

Afastamento

Outra constatação da pesquisa foi de que, do total de 1,707 milhão de trabalhadores no Espírito Santo, 125 mil estavam afastados do trabalho no mês passado. Desse total, 31 mil estavam sem sua remuneração, o equivalente a 1,8% da população ocupada em agosto.

>> ES registrou 247 mil pessoas desempregadas em agosto, aponta IBGE

No Espírito Santo, 1,582 milhão de pessoas (92,7% do total de ocupados) não estavam afastadas do trabalho. Dentre essas pessoas, 118 mil (7,5%) estavam trabalhando de forma remota (à distância, home office), 7 mil a mais do que em julho.