• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Brasil terá 3ª maior alta de gastos públicos do G-20

Economia

Brasil terá 3ª maior alta de gastos públicos do G-20

Fernando Nakagawa e Altamiro Silva Júnior, correspondentes - Enquanto a economia está em recessão técnica, os gastos públicos continuam crescendo e o Brasil será o terceiro país que mais vai aumentar despesas em 2014 entre todos os países do G-20. Isso reforçará a posição do País como emergente com mais gastos públicos e o sexto país cujo governo tem mais despesas no grupo das 20 maiores economias - atrás apenas de França, Itália, Alemanha, Canadá e Reino Unido.

Estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI) mostra que os gastos públicos brasileiros aumentarão praticamente um ponto porcentual do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano - o equivalente a cerca de R$ 50 bilhões. Segundo previsão do Fundo, o total das despesas públicas passará de 41,12% do PIB em 2013 para 42,05% em 2014. O aumento esperado só será menor que o registrado em dois países do G-20: Argentina (cujos gastos crescerão 3 pontos porcentuais do PIB) e Arábia Saudita (2,3 pontos).

A despesa crescente sem contrapartida na arrecadação é tema que desperta atenção crescente dos analistas. Um das preocupações é que os gastos públicos avançam e, mesmo assim, a economia não reage.

Ao abrir a torneira para as despesas do governo, o Brasil consolida sua posição como emergente com maior gasto público do G-20. O ano deve terminar com o equivalente a 42,05% do PIB brasileiro em despesas do governo. A cifra é comparável à de países ricos: Alemanha gastará 44,2% do PIB, Canadá, 44% e Reino Unido, 42,5%. No topo da lista, estão França (51,7%) e Itália (55%). Esses dois países, inclusive, têm sido pressionados pelo Banco Central Europeu (BCE) para realizarem reformas e melhorar a situação das contas públicas.

Entre os emergentes, a Arábia Saudita terminará o ano com gastos públicos de 40% do PIB e Argentina, com 39,9%. Junto com o Brasil, são os três países que mais gastam. Os árabes, porém, têm forte arrecadação, de mais de 45% do PIB, graças aos royalties do petróleo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.