Após cair em agosto, consumo de gás natural mostra retração em 2015, diz Abegás

Economia

Após cair em agosto, consumo de gás natural mostra retração em 2015, diz Abegás

Redação Folha Vitória

São Paulo - O mercado de gás natural se tornou mais um segmento da atividade econômica nacional a apresentar retração em 2015. Após manter variação anual positiva entre janeiro e julho, o indicador divulgado pela Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) fechou o mês de agosto com queda de 1,13%, quando comparado ao intervalo de janeiro a agosto de 2014. A reversão é explicada justamente pelo fraco resultado do oitavo mês do ano. Em agosto, o consumo totalizou 71,149 milhões de metros cúbicos diários (m3/d), encolhimento de 12,83% na comparação com o mesmo período de 2014.

O principal destaque negativo de agosto foi o segmento de geração elétrica, com retração de 19,4% em igual base comparativa. O consumo de 28,793 milhões de m3/d foi impactado pela decisão do governo federal de desligar 21 usinas térmicas a partir do dia 8 daquele mês.

O segmento industrial, segundo maior mercado consumidor de gás natural neste momento, encolheu 5,06% em agosto, mês em que a demanda atingiu 27,465 milhões de m3/d. Já o segmento automotivo, terceiro mais importante do País, teve queda de 2,89%. Ambos os setores sofrem os reflexos da tendência de queda de produção na indústria nacional, um movimento agravado pela decisão da Petrobras de reduzir os descontos praticados sobre o preço do insumo.

"A indústria é a grande consumidora de gás natural no Brasil e, por isso, sobretudo nesse quadro de desaceleração econômica, a retirada dos descontos nos preços do energético diminuiu ainda mais a competitividade da indústria brasileira", destacou em nota o presidente executivo da Abegás, Augusto Salomon.

A tendência de retração registrada em agosto contribui para os números negativos acumulados entre janeiro e agosto. O consumo de gás pelo segmento industrial encolheu 1,04% em relação ao ano passado. Já o segmento automotivo apresentou queda de 2,64%. O fraco resultado da indústria é parcialmente compensado pelo aumento de 2,68% no consumo de gás natural para geração elétrica, uma situação que tende a se reverter ao longo dos próximos meses. A demanda média nos oito primeiros meses do ano ficou em 77,150 milhões de m3/d.