Levy afirma em debate que Brasil tem estatísticas fiscais transparentes

Economia

Levy afirma em debate que Brasil tem estatísticas fiscais transparentes

Redação Folha Vitória

Lima - O Brasil tem as mais transparentes estatísticas fiscais e muitas instâncias de controle das contas do governo, afirmou nesta quinta-feira, 8, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ao ser questionando repetidas vezes pelo apresentador da CNN, Richard Quest, sobre a rejeição das contas do governo pelo Tribunal de Contas da União (TCU) na quarta-feira, 7, à noite. O apresentador moderou um debate hoje entre o ministro, a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e o presidente do Banco da Inglaterra, Mark Carney.

Levy destacou que questionamentos sobre as contas de governos não são um tema só do Brasil e já ocorreram em outras partes do mundo.

Levy começou falando que há "desafios reais" em termos do orçamento no Brasil, mas foi interrompido pelo apresentador da CNN, que comentou que as contas do governo brasileiro acabaram de ser rejeitadas e este era o tema principal a ser discutido. "Vamos falar de orçamento", disse Levy. Mas, com nova insistência de Quest, o ministro ressaltou que o Brasil tem as mais transparentes estatísticas fiscais e muitas instâncias de controle das contas do governo.

Levy destacou ainda que contas do governo sendo questionadas, como a discussão dos bancos oficiais financiando o Tesouro, não é um tema específico do Brasil, já foi discutido na Europa e o governo brasileiro já cuidou do caso.

O apresentador então perguntou se Levy achava que a decisão do TCU pode levar à abertura de um processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. "Não sei", disse o ministro, citando que o presidente Bill Clinton teve que enfrentar essas mesmas discussões. "Em uma democracia, com frequência as coisas se tornam questões políticas", disse Levy, destacando que o maior desafio do Brasil é discutir como o País lida com as transformações que ocorrem na economia mundial.

Levy afirmou que, para reconquistar a confiança dos agentes, é preciso ter comunicação clara dos objetivos da política econômica, incluindo quais são os desafios. "Muitas pessoas entendem quando você está sendo verdadeiro", disse ele.