Financiamentos de veículos crescem 14,9% em setembro ante igual mês de 2016, diz B3

Economia

Financiamentos de veículos crescem 14,9% em setembro ante igual mês de 2016, diz B3

No entanto, se o volume de setembro é comparado com agosto, observa-se queda de 10,1% nos financiamentos - parte do desempenho negativo é explicado pela diferença de dias úteis: foram três a mais em agosto

São Paulo - O número de veículos novos que foram comprados por meio de financiamento no Brasil cresceu 14,9% em setembro ante igual mês do ano passado, para 151,8 mil unidades, em soma que considera automóveis, comerciais leves, caminhões ônibus e motos. Os resultados foram obtidos a partir de levantamento da B3, que compila dados de todas as instituições financeiras que oferecem crédito para a compra de veículos no País.

No entanto, se o volume de setembro é comparado com agosto, observa-se queda de 10,1% nos financiamentos - parte do desempenho negativo é explicado pela diferença de dias úteis: foram três a mais em agosto.

Com as unidades financiadas em setembro, o terceiro trimestre de 2017 terminou com um total de 469,6 mil financiamentos de veículos novos. O número representa crescimento de 8,8% em relação a igual período de 2016.

Na conta, que também considera os veículos usados, os financiamentos cresceram 13,8% em setembro ante igual mês do ano passado, para 419,9 mil unidades. Já em relação a agosto, houve retração de 10,4%. No trimestre, o avanço é de 12,2%, para 1,3 milhão de unidades, na maior expansão entre terceiros trimestres desde 2010. "Isso mostra que o mercado de financiamentos pode estar no caminho para uma recuperação", analisou Marcus Lavorato, superintendente de Relações Institucionais da B3.

Modalidades

Das modalidades de financiamento, o CDC (Crédito Direto ao Consumidor) foi a única que cresceu em setembro ante setembro do ano passado, com avanço de 18,4%, em comparação que considera os veículos novos e usados. O CDC representa 84% do total de financiamentos. As outras duas modalidades principais, consórcio e leasing, tiveram quedas de 3,5% e 31,1%, respectivamente, e corresponderam a 13,7% e 0,6% do total.