Previsão de queda de PIB para 2016 embute recuperação no 2º semestre, diz Barbosa

Economia

Previsão de queda de PIB para 2016 embute recuperação no 2º semestre, diz Barbosa

Redação Folha Vitória

São Paulo - O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, afirmou que a revisão da estimativa do governo de queda do PIB de 1,0% para 1,9% em 2016 traz dentro dela uma recuperação da economia no segundo semestre do ano que vem. "Essa é uma projeção que é feita por modelos macro, feita pelo ministério da Fazenda", disse Barbosa em evento promovido pelo jornal Folha de S.Paulo na capital paulista.

"É uma projeção que infelizmente ainda é de redução do nível de atividade no ano que vem, mas ele traz embutido também uma recuperação no segundo semestre de 2016. Há uma queda no primeiro (semestre) e recuperação no segundo."

Na avaliação do ministro, a previsão, como toda e qualquer projeção está sujeita a revisões. "E estamos trabalhando para que o crescimento se recupere o mais rápido possível", disse.

"É bom lembrar que as projeções são atualizadas. Essas projeções indicam o que é a expectativa do mercado e dos modelos hoje. Ela não significa que é uma realidade inevitável. Nos podemos recuperar o crescimento mais rapidamente e para isso estamos trabalhando." Segundo Barbosa, "houve uma redução da atividade mais do que o esperado no final deste ano e isto tem efeitos estatísticos para o ano que vem."

Para o ministro, alguns fatores devem ajudar na recuperação da economia no segundo semestre de 2016, especialmente o comércio exterior, com a ajuda do câmbio, e investimentos. "Este ano, apesar da previsão de uma queda de 3% (do PIB), a previsão de recuperação do saldo comercial deve contribuir com quase dois pontos porcentuais de crescimento", destacou o ministro. "Então, você tem uma recuperação do saldo comercial que deve continuar no próximo ano, com esse câmbio mais favorável, com a recuperação mundial", avaliou.

No caso da ampliação da formação bruta de capital fixo, o ministro apontou que as concessões em infraestrutura devem ajudar. "A gente espera que esses vários projetos que estamos colocando vão gerar oportunidade de negocio e também uma recuperação do investimento. Houve uma queda muito forte neste ano. Ele tende primeiro a se estabilizar e depois começar a se recuperar", afirmou.

Hidrelétricas

O ministro do Planejamento disse que o leilão de usinas hidrelétricas "é muito importante porque sinaliza investimento na geração" de energia. "Enviamos uma MP para o Congresso que viabiliza esse leilão, que deve ser votada nesta semana. E estamos trabalhando para melhorar a previsibilidade no setor", disse. "O leilão é bem importante e a gente espera um bom resultado."

Arrendamentos portuários

Barbosa destacou que o valor de outorga de arrendamentos portuários "é uma receita primária, que vai contribuir para a elevação do resultado primário num primeiro momento e depois isso deve ser destinado a investimentos em dragagem nos portos administrados pelo governo."

O ministro ressaltou que a visão estratégica do governo é "apostar bastante em concessões", especialmente em estruturas que já existem e precisam ser expandidas e melhoradas, como rodovias, ferrovias, portos e aeroportos. "Esse tipo de investimento tem um risco menor, possibilita a receita já imediata e atende à demanda reprimida que a gente tem na economia brasileira", destacou.

O ministro também apontou que os leilões de rodovias previstos para 2015, devido ao prazo, devem ser realizados provavelmente no início de 2016.