Refinaria do Espírito Santo: assinada parceria para desenvolvimento do projeto

Economia

Refinaria do Espírito Santo: assinada parceria para desenvolvimento do projeto

A expectativa é que a RefinES entre em operação em 2 a 3 anos após a aprovação da última fase dos estudos

Foto: Divulgação

Foi assinado nesta quinta-feira (26), durante o evento Plano Espírito Santo – Convivência Consciente, em Vitória/ES, com a presença do Governador do Estado Renato Casagrande e demais autoridades públicas e privadas, o Memorando de Entendimento entre as empresas EnP, Oil Group e Porto Central para desenvolvimento do projeto da Refinaria do Espírito Santo (RefinES). 

A RefinES está sendo estudada para ser implantada na área do Porto Central, um novo complexo industrial portuário no município de Presidente Kennedy, localizado no sul do Espírito Santo. A infraestrutura portuária em desenvolvimento pelo Porto Central e sua localização estratégica próxima dos campos de óleo e gás do Pré-sal são fatores determinantes para instalar o empreendimento neste local.

A RefinES está na fase de estudos, onde estão sendo definidos os objetivos de produção, capacidades de processamento e as rotas tecnológicas. O seu desenvolvimento segue a metodologia de aprovação por passagem de portal, com escopos definidos ao final de cada etapa para tomada de decisões.

A refinaria modular poderá ter capacidade de processar 50 mil barris por dia, sendo a implantação do projeto em duas fases, a primeira com 30 mil barris por dia e a segunda com 20 mil. Este empreendimento possui um investimento estimado em US$ 640 milhões (US$ 350 milhões na fase 1 e US$ 290 milhões na fase 2).

A planta poderá processar o óleo offshore brasileiro, com 29° API, para produzir gasolina, óleo diesel, GLP (gás liquefeito de petróleo) e MGO (marine gasoil), atendendo à demanda do mercado capixaba.

A expectativa é que a RefinES entre em operação em 2 a 3 anos após a aprovação da última fase dos estudos, quando deverão seguir para as fases de implementação (contratação, construção e montagem) e operação. Assim a previsão para entrada em operação seria entre 2025 e 2026.